10 coisas que você não sabe sobre o caso da brasileira que foi abusada na Tailândia
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

10 coisas que você não sabe sobre o caso da brasileira que foi abusada na Tailândia

amandanoventa

02 Junho 2017 | 09h16

Acompanhando o caso da brasileira Bruna Fornasier que sofreu abuso sexual na Tailândia, é desanimador ver a série de comentários cada vez que a notícia é divulgada. Generalizações e julgamentos à vítima são os mais frequentes. Já que a maioria não entendeu a situação, vou tentar explicar alguns dos pontos principais.

1.A culpa não é da vítima. Viajar sozinha, usar qualquer roupa que seja ou dormir num hostel não é “pedir para ser abusada” em lugar nenhum do mundo. 

2. Hospedar-se num hostel não é perigoso. É um ótimo lugar para conhecer pessoas que estão no mesmo clima de viagem que você. Quem viaja bastante sabe que os hostels acabam formando uma espécie de “comunidade”dos viajantes.

3. Sim. O hostel da Tailândia foi irresponsável por não tomar as devidas providências e pedir que não se falasse sobre o crime.

4. Não, hostel não é um lugar somente de quartos compartilhados. Existe a possibilidade de se hospedar em um quarto só pra você se quiser mais privacidade. MAS isso não significa que quem fica em quarto compartilhado esteja “pedindo” ou deva ser ou será abusada.

5. Não é porque Bruna sofreu abuso sexual na Tailândia que você não deve viajar sozinha pra lá. Isso poderia ter acontecido em qualquer lugar do mundo. Inclusive no Brasil, seu próprio país. Inúmeras mulheres do mundo todo viajam sozinhas para a Tailândia todos os dias. Eu passei um mês lá nas mesmas condições que Bruna: sozinha e me hospedando em hostels. 

6. A Índia tem uma forte cultura do estupro (assim como o Brasil). Mas isso não significa que todos os indianos são estupradores (assim como nem todas as brasileiras são putas). Muito cuidado ao sair dizendo esse tipo de generalização por aí.

7. Não. Ir pra Índia não significa “ser estuprada”. Assim como ir para a Tailândia também não. Assim como viajar pelo Brasil também não.

8. De novo. A culpa não é da vítima (releia esse item até entender)

9. Nós, mulheres, assim como Bruna disse, não ficaremos caladas.

10. Nós, mulheres, não deixaremos de viajar sozinhas. É melhor o mundo se acostumar, aceitar, respeitar e desistir do julgamento.

Acompanhe Amanda no Instagram @amandanoventa , no Facebook em Amanda Viaja  e no Youtube Amanda Viaja

Posts relacionados:

Obrigada por lembrar que posso sofrer abuso sexual enquanto viajo

Ministro indiano lança cartilha de segurança para mulheres que viajam pela Índia: ‘Não use saias’.

Mulheres que viajam sozinhas são mais autoconfiantes

0 Comentários