Instagram lança sistema de alerta para fotos com abuso de animais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Instagram lança sistema de alerta para fotos com abuso de animais

amandanoventa

18 Dezembro 2017 | 09h39

O instagram lançou em dezembro um alerta para quem buscar por hashtags envolvendo algum tipo de abuso animal. O alerta ainda não chegou no Brasil, mas é um começo.

Funciona assim: quando a pessoa procura, por exemplo, por #monkeyselfie (‘selfie com macaco’ em português), é aberta uma janela no app com a seguinte mensagem “Você está procurando uma hashtag que pode estar associada com postagens que estimulam comportamentos prejudiciais aos animais ou ao meio ambiente”. E oferece um link com mais informações sobre exploração de animais selvagens.

A ação está sendo feita em conjunto com a ONG Proteção Animal Mundial e o Instagram não revelou quais são todas as hashtags selecionadas por eles para receberem o aviso, pois não querem facilitar para os que pretendem burlar o sistema.


Esta não é a primeira vez que o aplicativo faz ações de alerta envolvendo hashtags – suicídio, distúrbios alimentares e automutilação são algumas que já estão funcionando há algum tempo. E em breve, poderá alertar também para o tráfico de animais.

 

Bebê tigre preso em uma gaiola em atração turística na Tailândia, onde as pessoas podem tirar fotos com animais silvestres. FOTO: Proteção Animal Mundial

 

E qual é o problema de fazer uma selfie com um animal selvagem?

Abraçar um koala ou um bicho-preguiça pode parecer inofensivo. Mas em uma entrevista a National Geographic Cassandra Cohen, head das campanhas de vida selvagem na Proteção Animal Mundial, explica que a maioria desses animais ficam bem estressados quando segurados repetidamente, apesar das pessoas não perceberem. Na maioria dos casos, os animais que aparecem nas selfies foram tirados ilegalmente da vida selvagem e mantidos em cativeiro em condições deploráveis.

Aqui no blog também já falamos sobre outras maneiras bastante frequentes de turismo exploratório de animais, como andar em elefantes, fotos com tigres dopados e golfinhos. Os elefantes, por exemplo, são extremamente torturados para que sejam domesticados a ponto de permitir que alguém ande em cima deles.

Macacos, preguiças, aves e outros animais são roubados da natureza e mantidos em ambientes com péssimas condições. FOTO: Proteção Animal Mundial

E o que instagram tem a ver com isso?

Para você que acha que uma mensagem no instagram não resolve o problema, é importante considerar que o aplicativo tem 800 milhões de usuários e que desde 2014 as selfies com animais cresceram em 292%. E não precisa nem pensar tão distante – aposto que você tem um amigo com uma selfie dessas.

O alerta é para mostrar que uma foto cheia de crueldade por trás não tem valor. É feio, é compactuar com o lado negro do turismo. E, de fato, o Instagram não resolve o problema mesmo. Quem resolve somos nós – esse tipo de turismo só existe porque alguém está pagando por ele.

Amanda escreve toda segunda-feira. Acompanhe suas viagens através do Instagram em @amandanoventa e no Youtube e Facebook em Amanda Viaja.

Posts relacionados

Turista morre ao andar em elefante na Tailândia. Você ainda culpa o elefante?

Quatro ilhas da Tailândia serão fechadas por excesso de turistas

Leonardo DiCaprio pode ser impedido de entrar na Indonésia