Turista morre ao andar em elefante na Tailândia. Você ainda culpa o elefante?
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Turista morre ao andar em elefante na Tailândia. Você ainda culpa o elefante?

amandanoventa

15 Fevereiro 2016 | 08h59

elefante-tailandia-amanda-viaja

Recentemente passei um mês na Tailândia e, durante esse período, vi elefantes em diversas condições: soltos na estrada, presos no quintal de uma casa, na praia e, principalmente, sendo explorados pelo turismo. A forma mais comum é carregando turistas nas costas, mas você encontra até elefantes pintando quadros para serem vendidos.

Não dá para olhar aquilo e achar que está tudo bem com o animal. Por isso não me surpreendi ao ver essa semana a notícia sobre um turista escocês que foi morto na Tailândia enquanto andava em um elefante.

O site CBS conta que o elefante se irritou após seu treinador se pendurar em suas costas para tirar fotos do turista escocês. Então arremessou o turista e o treinador no chão e os pisoteou. O treinador está bem, mas o turista não sobreviveu. Uma morte horrível, mas que poderia ter sido evitada se os envolvidos tivessem mais informação e bom senso.


O que as pessoas precisam entender é que elefantes não são como cavalos. São espécies selvagens que não servem para serem montadas.

A ONG Elephant Nature Park, referência no assunto na Tailândia, conta que para os elefantes chegarem ao ponto de carregar pessoas em suas costas, eles passam por um verdadeiro processo de tortura quando ainda filhotes. São tomados da mãe, confinados e apanham por dias, com fome e sono até que cheguem num estado lastimável de fazer tudo o que o homem manda. Assim, eles são colocados para trabalhar em circos, carregando madeiras nas florestas ou explorados através do turismo.

O que pouca gente sabe é que dá para ter uma experiência bacana com esses animais sem prejudicá-los. Eu passei um dia todo num refúgio na Tailândia cuidando de elefantes que foram resgatados desses trabalhos exploratórios. Lá quem manda são os animais e não os turistas. Pude dar banho nos elefantes, alimentá-los e fazer carinho. E com toda essa interação eu te pergunto: por que você ainda precisa subir no elefante?

elefante-tailandia-amanda-viaja

A mesma coisa acontece com os tigres

Quantas pessoas na sua timeline você já viu numa foto fofa com um tigre aparentemente mansinho?

Em fevereiro do ano passado, o templo de tigres mais famoso da Tailândia foi fechado. Quem tomava conta dos tigres eram alguns monges (e tem coisa que pareça mais inofensiva do que um monge?). Pena que eles não sabiam direito o que estavam fazendo e não deu outra. O templo foi investigado e, por fim, fechado por maus tratos, tráfico de espécies em extinção e venda ilegal de animais.

Infelizmente esse não era o único templo de tigres. Ainda existem muitos lugares como esse ao redor do mundo e alguns são até acusados de dopar esses animais para que eles fiquem “dóceis” e você possa tirar uma foto.

E os golfinhos

Na única vez em que tentei nadar com golfinhos num desses parques, não deu certo. Eu não tinha muita informação e, chegando lá, dei de cara com o golfinho de boca machucada. Não consegui fazer mais nada. Não quis nadar com o golfinho, nem alimentar e, muito menos, ser empurrada por eles na água. Virei as costas e fui embora. Não dava para colaborar com esse circo.

Sem contar que esses golfinhos são capturados no Japão e vendidos para parques do mundo todo. Os que não são selecionados pelos parques, são mortos (quase 20 mil ao ano).

A verdade é que existem muitos problemas com os animais que precisamos resolver. A caça de elefantes para uso do marfim, tráfico de pássaros exóticos, caça aos tubarões para fazer sopa de barbatana, etc. Mas como esse espaço é para falar sobre viagem, meu foco hoje está sendo o turismo animal. E talvez esse seja o problema mais fácil de resolver porque basta que nós, turistas, ignoremos esses passeios e tours que são oferecidos durante as nossas viagens. Você ajuda simplesmente não participando.

Se você acha que não faz a diferença, basta lembrar que o Sea World anunciou recentemente que irá encerrar seu show acrobático com baleias em um dos parques por falta de visitantes. Desde que o documentário “Blackfish” foi lançado denunciando o problema das orcas em cativeiro, o numero de turistas no parque caiu drasticamente.

Assim, eu quero acreditar que as pessoas estão começando a perceber que não tem nada divertido em ver um animal sendo explorado um dia inteiro enquanto todo mundo dá risada. E, principalmente, entender que nós, turistas, somos grandes responsáveis por essa exploração. Se não tem quem pague por esse tipo de turismo, ele deixa de existir.

Porque é muito legal que esses estabelecimentos sejam fechados pela justiça (o que é raro). Mas é mais legal ainda quando são fechados por falta de visitantes, como tem acontecido com as atrações do Sea World. Será que estamos evoluindo?

Amanda escreve sobre viagens. Acompanhe através do Instagram em @amandanoventa e do Youtube e Facebook em Amanda Viaja.

 

Post relacionado:

Leonardo DiCaprio pode ser impedido de entrar na Indonésia