Viajar vai fazer você se sentir… o máximo!
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Viajar vai fazer você se sentir… o máximo!

Não "o máximo" de forma egoísta e narcisista. E nem que você se torna uma pessoa melhor porque viaja. Não é isso.

amandanoventa

20 Julho 2014 | 20h27

Sempre que meus amigos chegam reclamando da vida, eu sou a chata que recomenda que guardem dinheiro e tirem um tempo para viajar. “Mas Amanda, isso não vai resolver a chatice da minha vida”. Não vai.

No entanto, viajar vai fazer com que você se sinta o máximo e inabalável. Não “o máximo” de forma egoísta e narcisista. E nem que você se torna uma pessoa melhor porque viaja. Não é isso. Mas vai te ajudar a se sentir bem, cool, pronto pra próxima! Vai causar algumas transformações que podem te ajudar a lidar com as questões do dia a dia.

Deixa eu contar no que você pode se transformar:


Mais culto e esperto. Viajar vai te ensinar sobre o mundo de uma forma que os livros não ensinam. Você tem a chance de ver a história acontecendo, entender outras cultura, política e ainda aprender como as pessoas vivem e se comportam em outros lugares. Eu não consigo nem enumerar o quanto isso beneficia você no dia a dia! Ter esse tipo de experiência já me colocou à frente de outros candidatos numa entrevista de emprego. Por exemplo, lembro de numa entrevista o diretor mencionar que tinha acabado de voltar da Itália e me perguntou se eu já conhecia o país. Disse que sim, emendamos um papo cultural, o gelo foi quebrado e me senti à vontade e confiante para prosseguir com a entrevista. Ganhei o emprego.

Mais sociável. As chances de conhecer novas pessoas numa viagem são muito maiores e acontecem de maneira muito mais fácil do que no dia a dia. Pois durante uma viagem é normal que você se sinta mais aberto para conversar com pessoas e fazer amigos, afinal você está se sentindo mais relaxado e feliz. Aliás, em alguns tipos de viagem (viajar sozinho, por exemplo) somos praticamente “forçados” a fazer isso.  E passando o obstáculo de fazer novas amizades em um lugar diferente, fica mais fácil fazer amigos na vida “real”.

Mais econômico. Se você viaja sem se preocupar com dinheiro, bom pra você! Mas com as minhas viagens, acabei descobrindo que preciso economizar no dia a dia se quiser realiza-las. E o melhor de tudo isso é aprender que você não precisa gastar seus dinheiro em certas coisas, até supérfluas. Você aprende do que realmente precisa para viver. É possível que você se torne até menos materialista por isso.

Mais confiante. Você fez suas reservas de viagem, foi até o outro lado do mundo, escalou o Monte Evereste, nadou com tubarões, subiu no prédio mais alto do mundo superando seu medo de altura, foi para um país mais pobre e violento do que o Brasil, teve coragem de chegar num gatinho(a) de outro país. Sério, do que mais você vai ter medo na vida?

Mais aventureiro. Como você se torna uma pessoa mais confiante, você acaba fazendo qualquer coisa, deixando o medo de lado. Numa das minhas viagens eu dirigi sobre um lago congelado. Morrendo de medo, claro! Mas faria de novo. Afinal, que graça tem a vida se não sairmos da nossa zona de conforto?

Sexy. Você já se tornou mais inteligente e culto, fez coisas incríveis mundo afora, se tornou uma pessoa mais sociável, confiante… Tudo isso leva ao sexy! Por que não?

Menos rabugento e mais feliz. Viajar ajuda você a entender que existem outras coisas além daqueles aborrecimentos do dia a dia. No meu caso, me ajudou a entender que pequenos problemas, são realmente pequenos. E pensando assim fico menos estressada. Além disso, você já se tornou mais confiante, sociável, sexy, aventureiro e esperto? Como somar tudo isso e não ficar feliz?

Não vou negar que o caminho mais fácil é continuar reclamando da vida, dentro do seu mundinho. Mas se você escolher sair da sua zona de conforto e viajar, pode descobrir que sabe lidar com a vida muito melhor do que pensava.

Acompanhe o blog e as aventuras de Amanda através do Facebook www.facebook.com/amandaviaja e pelo Instagram @amandanoventa.

 

Inspirado por: Nomadic Matt

Foto: Viviane Ferraz