Classe executiva à moda holandesa

Classe executiva à moda holandesa

Mari Campos

12 Abril 2018 | 23h22

A poltrona da classe executiva nos voos que partem de SP. Crédito: Mari Campos


Para minha viagem à Rússia em março passado, apesar de ter comprado um bilhete em econômica pela Air France-KLM (para aproveitar o stopover grátis em Paris na volta), contei com um providencialíssimo upgrade no voo de ida (Guarulhos-Amsterdã com a KLM) para a World Business Class, a classe executiva da companhia holandesa.

A sala vip usada em São Paulo no terminal 3 de GRU é bastante confortável mas tem menu tanto de snacks e comidas quanto de bebidas mais limitado que das salas vizinhas. No caso de conexão em Schiphol, aí sim a sala vip em Amsterdã é excelente e completíssima, à altura do excelente aeroporto da capital holandesa.

Ao contrário dos voos que partem do Rio de Janeiro, os voos que saem de São Paulo ainda não contam com a “nova world business class” da KLM –  os que partem de São Paulo ainda contam com os antigos “assentos-cama” (estima-se que recebam os novos assentos até o final deste ano).

As simpáticas necessaires femininas. Credito: Mari Campos

Meu assento-cama não trazia novidades: reclinava 180 graus e tinha aquela providencial separação de privacidade para quando não conhecemos o vizinho de assento, mas a configuração antiga não permite acesso direto ao corredor por todos os passageiros (o que complica a vida de quem viaja na janela). O sistema de entretenimento, além da tela principal, também conta com um controle manual tipo tablet que nos permite, por exemplo, assistir um filme na tela grande e deixar o controle manual no mapa de voo, por exemplo – um feature de classe executiva que me agrada bastante.

As necessaires criadas pelo designer holandês Jan Taminiau vêm apenas com o básico  (somente máscara, meias e kit escova e pasta), mas são bem charmosas esteticamente (a feminina, por exemplo, pode muito bem virar uma clutch depois do voo).

O café da manhã servido na chegada a Amsterdã. Crédito: Mari Campos

O menu de cozinha holandesa no jantar estava saboroso, mas achei a carta de vinhos bem reduzida se comparada com a classe executiva de algumas outras companhias aéreas europeias como a própria Air France, do mesmo grupo  (as asiáticas eu nem incluo nesta comparação porque elas são mesmo fora da curva). Para o café da manhã, duas opções de prato quente.  Vale menção às adoráveis casinhas Delft Blue em miniatura entregues ao final da viagem como souvenir (com direito a gin holandês dentro) – colecionáveis, são uma verdadeira obsessão dos viajantes frequentes.

Serviço foi, no fundo, o ponto alto da viagem. Além do staff sempre muito solícito no voo em geral, tive uma experiência pós voo bem interessante: na pressa de pegar meu voo seguinte (eu tinha uma conexão bem apertada para São Petersburgo), acabei esquecendo meus óculos no meu assento. Qual não foi minha surpresa ao, já instalada no meu assento no voo seguinte, ser abordada por um funcionário do aeroporto que tinha se deslocado até ali para me entregar os óculos que eu ainda nem tinha percebido que havia esquecido! Timing perfeito 🙂