Ritz-Carlton entra no mercado de iates de luxo

Ritz-Carlton entra no mercado de iates de luxo

Mari Campos

23 Junho 2017 | 16h42

O projeto do novo iate Ritz-Carlton. Crédito: divulgação.

Muita gente achava que era boato, mas não: ontem a luxuosa Ritz-Carlton Hotel Company, L.L.C., parte da Marriott International, Inc., de fato anunciou oficialmente sua entrada no mercado de iates e cruzeiros de luxo. A companhia que hoje opera em mais de 30 países e territórios promete, a partir de 2019, levar aos mares a qualidade em serviços e instalações já consagrada em seus hotéis espalhados por todo o mundo.


O projeto de Douglas Prothero e Lars Clasen em conjunto com os fundos da Oaktree Capital Management deu origem à  The Ritz-Carlton Yacht Collection, uma ousada e singular iniciativa no mercado de viagens de luxo. A partir de 2019, quando as primeiras viagens dos iates estão programadas para acontecer, a Marriott International se tornará a única provedora mundial de hospedagem de luxo em terra e mar.

Reprodução de uma das suítes do novo iate Ritz-Carlton. Crédito: divulgação.

O projeto para até 298 passageiros em 149 suítes, todas com varanda privativa, parece investir em uma combinação bem particular entre iate e cruzeiro de luxo – como a gente pode ver pelas imagens divulgação apresentadas ontem. A companhia promete que os itinerários – que deverão ter duração entre sete e dez dias – serão exclusivos e percorrerão diferentes regiões do globo, dependendo da estação do ano, incluindo destinos na Europa, Caribe e América Latina. A ideia é valer-se do tamanho reduzido da embarcação para aportar em destinos tipicamente não acessíveis a grandes navios de cruzeiros, como Capri, Portofino, St. Barths e Cartagena.

Além de tudo isso, o iate contará com spa e a experiência a bordo deve ficar ainda mais “apetitosa” com um restaurante sob o comando do chef Sven Elverfeld do Acqua, que conta com três estrelas Michelin no Ritz-Carlton de Wolfsburg, na Alemanha. Só não adianta se empolgar muito agora: as reservas só serão possíveis a partir de maio do ano que vem.