Tintswalo e sua alma africana

Tintswalo e sua alma africana

Mari Campos

06 Junho 2017 | 17h11

A vista incrível dos quartos do Tintswalo Atlantic. Crédito: Mari Campos

Tintswalo. Guarde bem este simpático nome. Apesar de ainda muito pouco conhecido no mercado brasileiro, esse nome – que poeticamente significa compaixão – é sinônimo de um trio de hotéis boutique impecáveis na África do Sul, localizados nos três destinos mais icônicos do país para os brasileiros.

Sou assumidamente apaixonada pela África do Sul. E, felizmente, Cidade do Cabo, Joanesburgo e o Kruger Park foram contemplados com três propriedades adoráveis desta pequena rede de hotéis boutique que primam pela decoração extremamente cuidadosa, gastronomia refinada e serviço absolutamente primoroso. No ano passado, em minha última visita a este incrível país, tive o prazer imenso em me hospedar em sequência em todas elas.

Meu primeiro contato com a rede Tintswalo foi no mais belo dos três hotéis: o incrível Tintswalo Atlantic, na Cidade do Cabo. Eu estava um pouco receosa em me hospedar pela primeira vez em Hout Bay, mais afastada das atrações da cidade e do Waterfront, mas os receios passaram assim que fiz meu check in. Trata-se do único hotel localizado dentro do Table Mountain National Park, debruçado sobre uma belíssima praia de freixos, rodeado da mata do parque e com uma impressionante vista do oceano e das montanhas de qualquer uma de suas suítes ou espaços públicos. O lodge, construído como uma casa (não há lobby ou recepção) e tão integrado à paisagem que passa despercebido por quem passeia pela cidade, tem cada uma de suas onze suítes com uma decoração diferente, sempre inspirada em alguma ilha paradisíaca do planeta.


Fui recebida pelo casal de gerentes como se fosse uma amiga chegando para passar um final de semana em sua casa de praia – e o atendimento em geral é todo assim, muito cálido e informal, no melhor estilo lean luxury (um conceito da hotelaria de luxo que eu pessoalmente adoro). O serviço é impecável, das camareiras ao restaurante – que, por sinal, serve um maravilhoso café da manhã preparado na hora a qualquer hora do dia (isso sim um verdadeiro luxo!).

Elefantes em frente à mesa do café da manhã. Crédito: Mari Campos

Depois rumei para o Kruger Park e me hospedei no Tintswalo Safari Lodge, que divide as fronteiras sem cercas da reserva Manyeleti com o parque – o que me permitiu ver elefantes a dois metros de distância da varanda do restaurante durante o café da manhã e também enquanto aproveitava a piscina privativa da minha incrível suíte. As suítes do Tintswalo, aliás, têm a mais bela estrutura que já vi num lodge de safári: em formato villa e batizadas com os nomes de grandes exploradores do mundo, são todas interligadas por belas passarelas de madeira (e seu tudo incluído inclui até a lavanderia!)

Tive ali também alguns dos melhores safáris que já fiz – em boa parte pelo talento do tracker Eric e seus olhos de lince para brindar praticamente cada uma das nossas saídas com o avistamento dos Big Five.

Como nada é perfeito,  propriedade em Joburg, Tintswalo at Waterfall, confesso, não está entre minhas preferidas na cidade. Apesar de lindamente instalada num campo de pólo do distrito de Kyalami e totalmente inspirada no mundo dos cavalos, falta ali um serviço mais cálido, que faça para com a altíssima qualidade de atendimento que encontramos nas outras duas propriedades.