Toronto para dormir (muito bem)

Toronto para dormir (muito bem)

Mari Campos

05 Fevereiro 2018 | 16h24

Cheguei a Toronto pela última vez em um dia lindo , ensolarado e gélido, com 10 graus abaixo de zero. Gosto imensamente da cidade, inclusive nestes meses muito frios – tem sempre muita coisa para ver e fazer o ano todo (por estes dias, inclusive, está rolando o lindo Light Festival por lá) e os corredores da imensa cidade subterrânea ajudam sobremaneira a enfrentar a friaca e a neve. Além disso, Toronto é não apenas uma cidade cada vez mais vibrante e sedutora, como também uma das que melhor se estabelecem internacionalmente em termos de qualidade e consistência na hotelaria de luxo (e, extremamente democrática, tem inúmeras opções de hospedagem para todo tipo de budget).

Quartos cheios de luz natural no Ritz-Calrton Toronto. Crédito: Mari Campos


Como o voo do Brasil chega cedinho, meu quarto no Ritz-Carlton Toronto ainda não estava pronto; mas me convidaram prontamente para comer algo e tomar uma bebida quentinha no lounge executivo enquanto esperava a liberação do quarto. Esta gentileza foi apenas uma das muitas que recebi enquanto estava hospedada lá, atendida sempre por uma equipe incrivelmente solícita e bem educada em todos os âmbitos e setores do hotel. Gosto muito da rede, mas confesso que não tinha encontrado ainda serviço tão homogêneo e de tão alta qualidade em nenhum outro Ritz-Carlton em que me hospedei; louvável mesmo.

Apesar do lobby suntuoso, o Ritz Carlton Toronto é uma mescla constante entre o clássico e o contemporâneo – seja nos quartos ou nos ambientes comuns. Valorizando o país, tem uma coleção permanente de 450 peças de artistas canadenses espalhadas pela propriedade. Por isso mesmo, tem um mix interessantíssimo de viajantes, incluindo executivos, casais e uma surpreendente quantidade de famílias inteiras, inclusive celebrando ocasiões especiais. O hotel está super bem localizado, a curta distância à pé para diversas atrações – incluindo a CN Tower.  Os quartos são muito espaçosos, com belas vistas da cidade – e todos contam com máquinas de café espresso. Tem um imenso spa (o único My Blend by Clarins da América do Norte), fitness center 24h e uma deliciosa piscina de água salgada. É possível reservar quartos com acesso ao Club Lounge, que oferece café da manhã e buffet de happy hour com cocktails diariamente.  Na gastronomia, o destaque fica por conta do incrível TOCA Restaurant, sobre o qual falarei em outro texto, dedicado à gastronomia na cidade; mas seu animado bar também é ótima pedida para drinks e petiscos.

Banheiros com vista: um clássico da rede Shangri-la. Crédito: Mari Campos

Outro hotelaço da cidade – e já velho conhecido meu de outros carnavais – é o Shangri-la Toronto, que, como sempre, mescla com perfeição a elegância asiática que é marca registrada da rede com toques muito contemporâneos locais e internacionais. O espetacular lobby, cheio de luz natural, conta sempre com exibições temporárias ligadas ao mundo da moda e das artes e música ao vivo todos os dias – atraindo também uma quantidade imensa de moradores locais para o chá da tarde (com um menu de nada menos que 68 tipo diferentes de chá!) ou drinks no final da tarde/começo da noite.

Em alguns dias da semana, é praticamente um “hip hub” a minutos de caminhada do Financial District e dos principais centros de compra, como Eaton Centre e as lojas descoladas da Queen St West. Os house cars são nada menos que dois Porsche Panameras e o serviço em geral é discreto, eficiente e acolhedor como em qualquer outro hotel da rede. Os quartos e banheiros, como também é meio marca registrada da rede, têm vista para o skyline de arranha-céus do centro de Toronto; de alguns deles, é possível ver a CN Tower. Espaçosos e cheios de luz natural, e cheio de toques de conforto, como as cortinas e black out eletrônicos, acionados da própria cama. iPads colocam a gente em contato com a recepção, porteiros, room service, house keeping e um excelente serviço de conciergerie 24h. No quinto andar, fitness center 24h, saunas, um Miraj Hammam by Caudalie e uma deliciosa piscina com cascata (além de um solário para os meses quentes) são também um must.  O restaurante Bosk, que serve também um ótimo café da manhã que mescla buffet e à la carte, tem um agradável menu que mescla pratos canadenses com a inspiração asiática.

Piano em uma das 28 suítes matadoras do Windsor Arms. Crédito: Mari Campos

A surpresa da vez ficou por conta do tradicionalíssimo hotel boutique Windsor Arms, bem no coração do trendy bairro de Yorkville. Apesar da localização tão hypada, fica quase escondido em um prédio neo-gótico de 1927 – e é justamente esse apreço pela discrição que ficou tão famoso entre alguns hóspedes (incluindo diversos políticos e celebridades de Hollywood). São apenas 28 quartos, todos suítes, com enormes banheiras dentre os destaques. A minha contava com duas salas e com um piano de cauda dentro do enorme quarto – outros contam com violões e até harpa. Mescla o ambiente old school (muita madeira, couro e tons escuros que lembram os gentlemen clubs ingleses) com confortos contemporâneos (incluindo uma deliciosa piscina de água salgada no quinto andar), um animado bar e facilidades eletrônicas nos quartos – e sempre com um serviço impecável, com (acredite!) cinco membros de staff para cada hóspede, uma proporção raríssimamente encontrada no mercado.

A localização não poderia ser melhor, rodeado de lojas, cafés e restaurantes (daquele tipo perfeito para voltar do jantar caminhando), e a passos também de alguns dos melhores museus da cidade. Renovado nos últimos anos, o bar tem mais de 500 rótulos de vinhos e mais de 50 de cervejas artesanais, o restaurante oferece menu kosher e o Tea Room é uma verdadeira instituição em Toronto, com três horários de serviço de chá da tarde, todos os dias, sempre lotados. Aos domingos, seu Sunday Brunch é também bastante popular.

Cada vez mais, dormir muito bem em Toronto virou assunto sério.