Achou a Liberdade?

Margarida Vaqueiro Lopes

03 Outubro 2014 | 07h43

Em Lisboa, bem junto do rio Tejo, e num dos mais emblemáticos edifícios da capital – o Centro Cultural de Belém – é hora de procurar a Liberdade. O meu convite, hoje, é para que você esteja aí, no Brasil, assistindo ao que acontece aqui, em Portugal.

A Fundação Francisco Manuel dos Santos, que foi criada sob a orientação de um grande defensor da liberdade português, António Barreto, promove hoje e amanhã um congresso internacional que já está entrando na tradição portuguesa. Com três anos, o Presente no Futuro é basicamente um encontro em que durante dois dias você tem acesso a um monte de gente interessante que fala sobre o tema escolhido – Fernando Henrique Cardoso já foi, aliás, um dos palestrantes, em 2012.

Esse ano, o título do congresso é “À procura da Liberdade”. Um painel imenso com nomes como Michael Ignatieff, Sheila Benhabib, Gilles Lipovetsky, Joana Vasconcelos, João Lobo Antunes, Jeremy Waldron ou Carrilho da Graça vai estar discutindo esse assunto entre hoje e amanhã.

E por que é que eu estou fazendo o convite para você assista em direto, online, a esse congresso? Porque é uma oportunidade única para ouvir especialistas a discutir algo que hoje a gente vê que está no olho do furacão: o conflito na Síria, as manifestações na China, o Estado Islâmico, os desejos de auto-determinação de lugares como a Catalunha ou o Quebec…a liberdade na internet, na política, na nossa vida do dia-a-dia.


Esse assunto é demasiado complexo para que a gente não passe todo o tempo possível tentando dissecá-lo e chegar a resoluções que tornem, efetivamente, nosso mundo mais livre.

A minha sugestão hoje não se prende com o fato de Lisboa ser maravilhosa, ter comida absurdamente boa ou ter lugares lindos para visitar. Hoje convido você a olhar Lisboa como o lugar onde a Liberdade está sendo debatida. Seriamente. E de onde podem sair boas ideias! Vamos lá? Já começou!

[e eu vou deixar de escutar online e estou indo agora mesmo assistir às palestras. Podem me acompanhar no Twitter (margaridavlopes) ou através da hashtag PnFLib.

 

Quanto custa? Uma boa ligação à internet e uns bons fones de ouvido 🙂