Inferno Lisboeta em pleno inverno

Margarida Vaqueiro Lopes

09 Dezembro 2016 | 16h32

Tudo continua lindo em Lisboa, apesar de tudo. © 2016 Sambando em Lisboa. All Rights Reserved

Se está preparando uma viagem a Lisboa, atente em algumas questões: apesar de a capital portuguesa continuar uma cidade linda, com a luz mais maravilhosa e com lugares incríveis para conhecer, o presidente da Câmara parece bastante focado em querer retirar todo o mundo do centro.

Há meses que metade da cidade está em obras, o que tem dificultado a vida a lisboetas e a turistas. Cada vez se torna mais complicado usar o carro no dia-a-dia, porque há dezenas de ruas cortadas e com menos vias; ao mesmo tempo também não é possível contar com os transportes públicos, uma vez que tanto a empresa de ônibus (Carris) como o metrô estão diminuindo a frequência das passagens. A isso se junta o fato de os bilhetes necessários para viajar – uma espécia de bilhete único – terem estado esgotados durante várias semanas. O ‘problema’ foi resolvido bem antes da Web Summit, no início de Novembro.

Os relatos nas redes sociais são de fugir. Imagine a Barra Funda em hora de ponta. E agora duplique o número de pessoas. E agora imagine isso sem ser em hora de ponta: tem sido esse o cenário em estações como o Cais do Sodré – que tem ligação aos trens e a muitos ônibus – ou a Baixa-Chiado, que é um lugar super tuístico e para onde fica impossível levar carro porque nunca há onde parquear.


Outro dia, pensando que a galera estava exagerando – eu raramento uso carro para ir trabalhar, e a linha de trem que eu pego funciona super bem – decidi usar o metrô e o ônibus. Tinha algumas reportagens no centro da cidade e achei que era um bom dia para experimentar. Foi incrível: às 8h50 (portanto, plena hora de ponta) precisei esperar mais de 6 minutos pelo metrô, cuja frequência deveria de ser de uns 2 ou 3 minutos nesse horário. Quando cheguei já tinha um monte de gente esperando, portanto não sei há quanto tempo não passava um…Fui até à Baixa-Chiado, e às 12h30 peguei novamente o metrô para ir para S.Sebastião (que fica perto do Marquês de Pombal, no centro de Lisboa). O tempo de espera era superior a 6 minutos novamente. Depois do almoço, pensei em pegar o ônibus. Quando olhei para o tempo de espera, era superior a 15 minutos, além de que o trajeto seriam pelo menos mais 30 minutos. Decidi pegar um taxi para regressar ao trabalho.

Levei mais de 30 minutos, no horário de almoço, para fazer 8km, porque as obras entopem praticamente todos os lugares.

Na semana passada precisei levar carro para o trabalho. Às 16h30 tinha uma reunião a cerca de 12 km de distância. O caminho faz-se, em condições normais, em 25 minutos no máximo, o que era suposto acontecer porque geralmente o trânsito começa a piorar a partir das 17h. Levei 45 minutos. E isso falando de um percurso que não passa pelos piores bairros de Lisboa: na verdade, metade do caminho é feito em via rápida.Legal, não é?

Isso tudo para dizer o quê? Que, por favor, venham para Lisboa, mas tragam uma dose de paciência reforçada. E um casaco bem quente porque eu aconselho vivamente a que façam todos os percursos que puderem caminhando…Ganham tempo e sempre aproveitam para conhecer mais da cidade do que apenas o ar condicionado quebrado dos ônibus.

Acompanhe o blogue no Instagram e no Facebook