Jovens portugueses acham “natural” agressões no namoro

Margarida Vaqueiro Lopes

03 Junho 2015 | 08h47

O número é enorme e preocupante: 27% dos jovens portugueses – gente, é quase um terço! – acha normal sofrer agressão física ou psicológica durante o namoro. Aliás, 7% confessa já ter sido alvo de agressão física. Gente, alguém esqueceu a noção de respeito com o passar das décadas?

Os números são revelados por um estudo realizado pelo projeto Artways – Políticas Educativas e de Formação contra a Violência e Deliquência Juvenil, que é apoiado pela prestigiada Fundação Calouste Gulbenkian. E são assustadores. Por exemplo, 31% dos rapazolas também acreditam ser natural pressionar as meninas para terem relações sexuais. Nesse campo as jovens são menos tontas, mas ainda assim há 10% de meninas que acredita que isso não é um problema.

Portugal tem tido números bastante elevados de violência doméstica, que muito preocupam as autoridades. No entanto, tem sido difícil combater as faltas de noção, de respeito pela vida. Em Portugal, no últimos dez anos já morreram mais de 300 mulheres vítimas de violência doméstica. Mais de mil são atendidas, por ano, sem contar com os casos que não são reportados, como por exemplo os dos homens que sofrem de violência e que têm vergonha de contar.

Me preocupa bastante que haja quem não consiga entender os limites entre o amor e a obsessão. Há coisas simples que denotam agressão psicológica que poderá degenerar em agressão física. Pegar no celular do outro sem autorização – cara, eu ficaria muito irritada se alguém fizesse isso comigo. Controlar todos os movimentos do outro, por torpedo, ligações constantes, facebook, eu sei lá. Brigar com a pessoa no meio dos amigos. Querer afastar o outro das pessoas de quem gosta. Destruir a auto-estima. Ser grosso…tem uma infinitude de coisa que está acontecendo nos namoros entre os jovens que faz parecer que a gente recuou uns quantos séculos no tempo. Com a diferença de que agora não são apenas os homens que acham que têm direito de posse sobre as mulheres mas também o contrário.


As relações não pressupõe violência, gente. Entender isso desde jovens é o segredo para ter relações saudáveis: não é normal ter relações sexuais se não quiser; não é normal ver cadernos, diários, celulares, emails de outras pessoas sem que sejam elas mostrando; não é normal querer sempre saber onde está o outro; não é normal bater na sua outra metade da laranja: NÃO É NORMAL. Se você sente isso, você não ama a outra pessoa. Você até a pode querer, mas é no pior sentido do termo. Você quer TER alguém, como se fosse uma coisa. Isso não é amor. É obsessão. É desrespeito.

Esse estudo feito em Portugal mostra ainda que pelo menos 12% dos jovens que foi agredido perdoou ao agressor ou agressora e que 8% não se incomodou com o fato. COMO ASSIM?

A Polícia de Segurança Pública diz que entre 2013 e 2014 o número de participações de casos de violência entre namorados subiu para o dobro, numa média de 4 casos por dia! Galera, vamos falar a sério? Os jovens de hoje em dia são dos que educação mais elevada têm nas últimas décadas. O que é que perderam entretanto? A capacidade de pensar e de se respeitar?