Portugal enlouqueceu com Música, Papa e Futebol

Portugal enlouqueceu com Música, Papa e Futebol

Margarida Vaqueiro Lopes

15 Maio 2017 | 07h22

Um pouco a sério, um pouco em jeito de brincadeira, esse final de semana a frase foi sendo ouvida várias vezes: “Salazar estaria feliz”. A referência ao ditador é rapidamente entendida por quem esteve em Portugal nos últimos dias – os três pilares do regime de Salazar eram Fado, Fátima e Futebol. Uma espécie de ópio do povo.

Capa do jornal Público desse Domingo, dia 14 de Maio.

Nos dias 12 e 13 de Maio o Papa Francisco esteve em Fátima levando cerca de um milhão de pessoas ao Santuário onde canonizou dois dos três pastorinhos (Jacinta e Francisco) que subiram assim à categoria de santos; ao início da noite o Benfica ganhou o quarto campeonato seguido, e no final da noite Salvador Sobral arrecadou o primeiro lugar no Festival da Eurovisão da Canção, um evento até esse ano completamente ignorado pelos portugueses. Nossa melhor classificação tinha sido um sexto lugar há 20 anos, e o espetáculo deixou de ter importância.

Há várias décadas, o Festival da Canção era um dos mais importantes acontecimentos do ano. Por ele passaram vários artistas que ganharam fama por serem vencedores – Celine Dion e Abba são apenas dois exemplos –  e politicamente ele era bastante relevante. Durante os anos da ditadura, muitas mensagens revolucionárias passaram pelos palcos do Festival, o que era sempre um momento bem legal. Ele foi perdendo importância e musicalidade, que foram trocados por fogos de vista, música pop e muitas bailarinas. Portugal ganhou com uma balada super tranquila e um artista que era exatamente o oposto de  todos os outros: cantou em português e não em inglês, esteve sozinho em palco e vestiu roupa preta e desengraçada para o espetáculo. Ganhou com os votos do júri e do público tranquilamente. Se tornou um fenômeno que colocou todo o mundo de novo colado à televisão. Salvador Sobral devolveu aos portugueses um pouco daquele patriotismo que geralmente a gente só tem em época de campeonato europeu ou mundial de futebol. Obrigada por isso.


O Benfica ganhou o campeonato – e todo o mundo sabe que se há adeptos fervorosos nesse país e sobretudo nessa cidade são os benfiquistas – o que significa que mais de metade do país estava louco no Sábado à noite. A praça do Marquês de Pombal se encheu de gente para festival a vitória – como é habitual por aqui – e claro que acabou celebrando também o Salvador Sobral. Dessa vez não houve problemas de maior e foi realmente noite de festa.

Desconfiamos de que o Papa Francisco só não celebrou também porque já tinha ido embora, mas durante três dias o país praticamente parou para acompanhar o antes, o durante e o depois da visita Papal. Francisco esteve em Portugal menos de 24h, para participar no centenário das aparições de Fátima e para canonizar os pastorinhos, como falei, mas veio “como peregrino”, o que significa que não foi uma visita de Estado, como acontece tantas vezes. Portugueses e estrangeiros se deslocaram para um dos Papas mais populares de sempre e creio que se pode dizer, com alguma segurança, que essa semana, você só vai encontrar portugueses felizes por aqui.

Quer apostar?