Português reinventado

Margarida Vaqueiro Lopes

12 Março 2015 | 10h25

Como eu já falei aqui um trilhão de vezes, Lisboa é realmente um lugar bem legal para a gente comer. A comida portuguesa é incrível, mas nem para todos os estômagos, verdade? A gente gosta daquela comidinha bem pesada, que inclui sempre um monte de carbohidrato, carne, e tudo isso em muita quantidade, claro. Se pudermos juntar uns enchidos – tudo o que venha do porco, uma espécie de salsicha que a gente faz com o sangue do bicho, ou então com carne e gordura de porco. Bom, enfim, é tudo otimo mas altamente calórico. E pode fazer você precisar de remédio para o estômago durante uns dias.

IMG_6280.JPG

©Sambando em Lisboa


Mas aí tem quem reinvente a comidinha para que a gente não perca os bons sabores, mas não fiquemos sofrendo com isso. É o caso do chef Miguel Castro e Silva, um português de gema que tem sido reconhecido um pouco por todo o mundo pela sua cozinha simples e über saborosa. Considerado o pai da comida a baixa temperatura aqui em Portugal, ele tem um restaurantezinho bem legal em Lisboa – na verdade tem vários, mas hoje falarei só desse, tá? – no centro de uma praça super legal.

IMG_6258.JPG

Bolo de Chocolate sem farinha (©Sambando em Lisboa)

A ideia é que a gente se sinta em casa, à volta de uma mesa cheia de petiscos – é o que a gente chama às porções –  bem portugueses. Se conseguir, depois de se acabar nos peixinhos da horta (feijão verde envolto em polme e frito) , na morcela com maçã, nos pezinhos de coentrada ou na salada fria de peixe com maionese caseira, se atire de cabeça na carta. Costela, lascas de bacalhau fresco, filetes de polvo com açorda de tomate e pimento, ensopado de borrego…sabores totalmente portugueses cozinhadas com um toque de modernidade que permitirão não passar mal depois da refeição! [Se procurar nos arquivos da revista Gula vai achar pelo menos três referências ao chef Miguel Castro e Silva, com louvores ao seu trabalho!]

 

IMG_6252.JPG

Peixinhos da Horta (©Sambando em Lisboa)

O De Castro na Praça das Flores tem ainda uma generosa carta de vinhos – o chef foi também o primeiro a inaugurar o conceito de jantar vínico em Portugal – e um preço bem justo. Marque de ir lá com os amigos, e se estiver quente, por favor, coma na área exterior. Parece que está no meio do campo, ainda que a Assembleia da República fique logo ali do lado!

Onde é? Praça das Flores

Quanto custa? Preço médio – 25 euros por pessoa