Verão de S. Martinho

Margarida Vaqueiro Lopes

03 Novembro 2015 | 13h18

O verão de S. Martinho, que se celebra no dia 11 de Novembro, é um evento muito esperado aqui em Portugal. Já nem tanto por causa das castanhas (aqui a gente chama só castanha, ok? Mas sim, estou me referindo à castanha portuguesa) mas por causa do bom tempo.

Não sei se conhecem a lenda de S. Martinho, mas resumidamente ela diz que Martinho, montado num cavalo, estava percorrendo uma estrada num frio e chuvoso dia de Inverno. Pelo caminho encontrou um mendigo pedindo algum conforto, e como não tinha mais nada para lhe dar, cortou sua capa ao meio e lhe deu uma das metades. Mas à frente, outro mendigo. Martinho lhe deu a outra metade. Assim que Martinho ficou sem o que se cobrir, logo o sol passou a brilhar, o céu ficou azul e o tempo melhorou.

E certo é que todos os anos, por volta de dia 11 de Novembro, o tempo melhora aqui em Portugal. Como sabem, nessa altura é Outono e a gente já vive com bastante frio e chuva, então ter uns três dias de céu azul e sol quentinho é algo super bem-vindo.

Para além disso, a tradição manda que a gente coma castanhas assadas e prove o vinho novo – ou seja, das uvas apanhadas esse ano. A isso a gente acrescenta jeropiga [uma bebida tradicional de Portugal feita com mosto e aguardente] e água-pé [uma mistura do bagaço das uvas com água] e fazemos uma super festa.


Isso significa que se alguma vez estiver em Portugal a meio de Novembro, por favor, procure por um magusto – é como a gente chama a essa cerimónia de assar castanha numa fogueira na rua e acompanhá-las com bebidas – e se sinta um português de gema.