São Miguel do Gostoso: os caminhos do vento

São Miguel do Gostoso: os caminhos do vento

Daniel Ribeiro

30 Junho 2016 | 14h36

IMG_20140809_111332118

São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro


São Miguel do Gostoso é uma cidade no norte do Rio Grande do Norte que foi recentemente “descoberta” por brasileiros e estrangeiros que foram para lá começar uma nova vida e empreender no turismo. Na última década, a erma praia se tornou uma rota de gastronomia e diversão e, por enquanto, ainda preserva um ar rústico e tranquilo. Apesar do vento, é claro.

Entardecer em um restaurante de São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

Entardecer em um restaurante de São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

O vento é o protagonista do lugar. Seu crescimento recente se deu muito em função disso: a região é perfeita para a prática do Kitesurfing o ano todo. E toda essa gente que tem buscado São Miguel do Gostoso para uma reinvenção se beneficia dos ares de lá.

São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

Conheci a cidade pela Júlia Galvão que depois de passar alguns anos em Londres sentiu-se deslocada em São Paulo e resolveu fixar raízes em Gostoso. Comprou uma pousada e lá está sem planos de mudança.

São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

Um dos pioneiros desse movimento foi o francês Rémi Svoboda. “Conheci a cidade em 2007 por conta do kitesurf. Estava trabalhando no Tibau e quando parei, resolvi conhecer a região”, lembra. Ele conta que sentiu uma identificação espiritual com São Miguel do Gostoso e foi acolhido por um casal que já tinha uma pousada e lhe deram a oportunidade de abrir uma escola de Kitesurfing. “Fiquei cinco anos entre o Brasil e a França, seis meses em cada lugar”, conta.

Prática de Kitesurfing em São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

Prática de Kitesurfing em São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

Quase dez anos depois, Rémi se sente um local, se casou e tem filhos brasileiros. O negócio dele impacta fortemente a dinâmica local. Além das temporadas tradicionais de verão quando as pessoas buscam as praias, há as temporadas de férias europeias em que muitos franceses e alunos de outras nacionalidades vão a Gostoso ter aulas de kite.

São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

São Miguel do Gostoso. Foto: Daniel Ribeiro

Os benefícios vão além da movimentação do comércio local como restaurantes e pousadas. Todo ano, Rémi manda um dos professores da região para um estágio na França. “O objetivo é que eles aprendam francês, inglês e ampliem suas oportunidades profissionais”, diz. Uma cena comum das noites de lá é ver jovens brasileiros reunidos em torno de uma fogueira falando francês com os gringos, ou entre si para manter certos segredos.

Além do Kite, Rémi e sua turma têm uma banda, praticam surf, dançam e estão montando uma escola de tênis.

Rémi Svoboda e família; Foto: Arquivo pessoal

Rémi Svoboda e família; Foto: Arquivo pessoal

Com tudo isso, São Miguel do Gostoso é uma praia cara e com muito gringo, mas se você cair nas graças do pessoal de lá pode acabar num forró inacreditável num quintal bem longe da praia.  Outro programa imperdível é ir até Tourinhos, a vila vizinha, assistir ao pôr-do-sol.

Pôr-do-sol em Tourinhos. Foto: Daniel Ribeiro.

Pôr-do-sol em Tourinhos. Foto: Daniel Ribeiro.

 

Siga @aqueledaniel no instagram e curta do Viagem Sem Fim no facebook.