Um dia em Inhotim

Um dia em Inhotim

Daniel Ribeiro

30 Setembro 2016 | 11h25

O Instituto Inhotim comemorou dez anos neste mês de setembro.  Os guias de viagem tradicionais recomendam pelo menos dois dias para visitar todas as galerias, mas como nem sempre temos o tempo ideal para aproveitar todos os destinos, me desafiei a conhecer o instituto em um dia. Vi tudo. Em algumas galerias demorei vários minutos e em outras apenas passei. Nem todas as obras se conectam com todas as pessoas, esta é uma realidade em qualquer museu.


De Belo Horizonte peguei uma van na loja do instituto no bairro Savassi. O carro sai às 8h15 de Belo Horizonte e sai de Inhotim às 17h30 e custa R$ 60 ida e volta (Sai da Rua Antônio de Albuquerque, 909). O melhor é comprar o bilhete um dia antes para garantir lugar.  O ingresso para visitação custa R$ 40 e há a opção de usar carrinhos de golfe para se deslocar por mais R$ 25. Eu fiz tudo a pé porque gosto de caminhar, mas os carrinhos tem rotas e paradas como um ônibus e atendem os 140 hectares de atrações.

Que saber o que dá pra fazer em um dia? Vem comigo!

Inhotim se consolidou como um dos destinos obrigatórios no Brasil. Apreciado por diversos perfis de turistas, o instituto conta com 23 galerias (duas estavam fechadas para reforma quando fui) além de 22 obras ao ar livre. Foto: Daniel Ribeiro

Inhotim se consolidou como um dos destinos obrigatórios no Brasil. Apreciado por diversos perfis de turistas, o instituto conta com 23 galerias (duas estavam fechadas para reforma quando fui) além de 22 obras ao ar livre. Foto: Daniel Ribeiro

Além das obras expostas nas galerias, a arquitetura do lugar é uma atração à parte. Na foto, vê-se a Galeria Adriana Varejão, conceituada artista plástica brasileira por seus trabalhos em azulejos. Foto: Daniel Ribeiro.

O projeto paisagístico é outro ponto alto da visita. os jardins são cuidados com esmero e pensados para compor o projeto artístico do instituto. Na foto, a obra Elevazione de Giuseppe Penone compõem o projeto artístico-paisagístico com uma árvore suspensa que encanta e intriga os visitantes. Foto: Daniel Ribeiro.

O projeto paisagístico é outro ponto alto da visita. os jardins são cuidados com esmero e pensados para compor o projeto artístico do instituto. Na foto, a obra Elevazione de Giuseppe Penone compõem o projeto artístico-paisagístico com uma árvore suspensa que encanta e intriga os visitantes. Foto: Daniel Ribeiro.

Inhotim foi pensado para proporcionar uma experiência completa aos turistas e apreciadores de arte. O instituto é bem sinalizado e acessível. Muitas famílias com crianças e idosos visitam Inhotim durante todo o ano. Foto: Daniel Ribeiro.

Inhotim foi pensado para proporcionar uma experiência completa aos turistas e apreciadores de arte. O instituto é bem sinalizado e acessível. Muitas famílias com crianças e idosos visitam Inhotim durante todo o ano. Foto: Daniel Ribeiro.

Uma das obras na Galeria Adriana Varejão impressiona pela dimensão. Nesta galeria há uma obra

Uma das obras na Galeria Adriana Varejão impressiona pela dimensão. Nesta galeria há uma obra “escondida” no teto do corredor lateral. Foto: Daniel Ribeiro.

A obra

A obra “Viewing Machine” de Olafur Eliasson é uma das preferidas dos turistas para fazer fotos. Foto: Daniel Ribeiro.

Muita gente coloca o rosto na frente do caleidoscópio gigante para tê-lo refletido inúmeras vezes. No foto, reflito apenas a paisagem. Foto: Daniel Ribeiro.

Muita gente coloca o rosto na frente do caleidoscópio gigante para tê-lo refletido inúmeras vezes. No foto, reflito apenas a paisagem. Foto: Daniel Ribeiro.

A Galeria Doug Aitken convida os visitantes a ouvir o som da Terra, vindo de um buraco com centenas de metros de profundidade. Esta é a galeria mais distante da entrada e muita gente (eu inclusive) acha que o esforço de subir até lá não é muito recompensador. Foto: Daniel Ribeiro.

A Galeria Doug Aitken convida os visitantes a ouvir o som da Terra, vindo de um buraco com centenas de metros de profundidade. Esta é a galeria mais distante da entrada e muita gente (eu inclusive) acha que o esforço de subir até lá não é muito recompensador. Foto: Daniel Ribeiro.

Inhotim não autoriza piquenique e oferece três restaurantes. Sempre ouvi que Inhotim era uma viagem cara, mas encontrei refeições a menos de R$ 30 reais com bebida. Foto: Daniel Ribeiro.

Inhotim não autoriza piquenique e oferece três restaurantes. Sempre ouvi que Inhotim era uma viagem cara, mas encontrei refeições a menos de R$ 30 reais com bebida. Foto: Daniel Ribeiro.

A impressionante obra de Matthew barney ocupa toda sua galeria. Foto: Daniel Ribeiro.

A impressionante obra de Matthew barney ocupa toda sua galeria. Foto: Daniel Ribeiro.

Algumas galerias apresentam apenas uma grande obra enquanto outras dispõem de grandes coleções. Os guias recebem todos os visitantes na porta das galerias para explicar as regras de cada uma. Foto: Daniel Ribeiro.

Algumas galerias apresentam apenas uma grande obra enquanto outras dispõem de grandes coleções. Os guias recebem todos os visitantes na porta das galerias para explicar as regras de cada uma. Na foto está a Galeria True Rouge. Foto: Daniel Ribeiro.

A vantagem de conhecer o instituto a pé é poder pegar alguns atalhos por pequenas trilhas no meio da mata. A sensação de estar um pouco longe de tantos turistas pode ser um alívio em alguns momentos. Foto: Daniel Ribeiro.

A vantagem de conhecer o instituto a pé é poder pegar alguns atalhos por pequenas trilhas no meio da mata. A sensação de estar um pouco longe de tantos turistas pode ser um alívio em alguns momentos. Foto: Daniel Ribeiro.

A Galeria Claudia Andujar é uma das mais recentes e apresenta um grande acervo em 1.600 m². O pavilhão foi projetado para receber luz natural, um dos principais elementos do trabalho da fotógrafa. Foto: Daniel Ribeiro.

A Galeria Claudia Andujar é uma das mais recentes e apresenta um grande acervo em 1.600 m². O pavilhão foi projetado para receber luz natural, um dos principais elementos do trabalho da fotógrafa. Foto: Daniel Ribeiro.

Obra

Obra “Abre a porta”, de John Ahearn e Rigoberto Torres. Intervenção na parede da Galeria Praça. Foto: Daniel Ribeiro.

Diversas obras têm caráter interativo, como a Galeria Praça que propõe a experiência de estar sentado em uma praça com sons diversos ao redor. Foto: Daniel Ribeiro.

Diversas obras têm caráter interativo, como a Galeria Praça que propõe a experiência de estar sentado em uma praça com sons diversos ao redor. Foto: Daniel Ribeiro.

DCIM105GOPRO

A Galeria Miguel Rio Branco é a única que contém aviso de obras que podem desagradas pessoas sensíveis e inapropriadas para menores de 18 anos por conter nudez e violência. O pavilhão apresenta as obras em dois pisos, um superior e um inferior com fotografias. Muitos turistas pouco habituados à arte contemporânea assustam-se com a proposta de Rio Branco. Foto: Daniel Ribeiro.

DCIM105GOPRO

Obras da artista tcheca Dominik Lang na Galeria Lago. Foto: Daniel Ribeiro.

Entre as vantagens de se fazer o caminho a pé etão tomar uma cerveja e parar para fazer fotos nas obras ao ar livre e nos jardins. Obra da artista tcheca Dominik Lang na Galeria Lago. Foto: Daniel Ribeiro.

Entre as vantagens de se fazer o caminho a pé etão tomar uma cerveja e parar para fazer fotos nas obras ao ar livre e nos jardins. Obra da artista tcheca Dominik Lang na Galeria Lago. Foto: Daniel Ribeiro.

E não se esqueça de levar roupa de banho e protetor solar se você tiver mais tempo. Uma das obras, a

E não se esqueça de levar roupa de banho e protetor solar se você tiver mais tempo. Uma das obras, a “Piscina” de Jorge Macchi, pode ser usada pelos visitantes. É sério. Obra da artista tcheca Dominik Lang na Galeria Lago. Foto: Daniel Ribeiro.

Os famosos fuscas da obra

Os famosos fuscas da obra “Troca-troca”, de Jarbas Lopes. Obra da artista tcheca Dominik Lang na Galeria Lago. Foto: Daniel Ribeiro.

Quer mais? Me segue no instagram que eu dou umas dicas por lá: @aqueledaniel.