13 dicas para viajar melhor
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

13 dicas para viajar melhor

Mônica Nóbrega

02 Outubro 2014 | 19h01

Viajar é uma daquelas coisas na vida que a teoria ajuda bastante, mas é a prática que ensina a fazer bem feito. Não tem segredo: quanto mais viaja, mais você aprende e entende o que funciona para você, qual o seu estilo, seu conceito de roubada, o que rende lembranças felizes.

Viajar leve – e voltar leve também – são sugestões para uma jornada mais feliz

Até das viagens mais corriqueiras a gente volta com lições importantes para as próximas vezes na estrada. Aconteceu comigo em janeiro: fui passar um fim de semana em Paraty, no litoral do Estado do Rio, a pouco mais de 300 quilômetros de São Paulo.

Perdi a conta de quantas vezes estive em Paraty, mas nunca tinha ido de carro. O ônibus noturno que parte da Rodoviária do Tietê às 22 horas é conveniente demais. Permite sair do trabalho na sexta-feira e amanhecer lá no dia seguinte. No domingo à noite, mesmo esquema para voltar: ônibus noturno e café da manhã em casa. Um bate-volta como manda o figurino.


Nessa ocisião em janeiro, três adultos e uma criança, decidimos ir de carro. Tarde da noite na sexta-feira, o trajeto parece que dobrou de tamanho. Na volta para casa, madrugada de domingo para segunda-feira, pegamos congestionamento da entrada de São Paulo. Amanhecemos na Ayrton Sena, com tanto sono que nos revezávamos a cada 20 minutos na direção. Tudo tão arriscado e desnecessário que aprendemos: bate-volta a Paraty, só de ônibus.

Como essa, fui aprendendo outras lições nessa vida viajante. Sempre tentando, experimentando, entre acertos e erros. Sem fórmulas – mas dicas, essas eu tenho algumas, sim.

1. Não pensar no dinheiro como empecilho
Se não dá para fazer a viagem dos sonhos, faça a viagem possível. Peça carona ao amigo que vai passar o feriado na cidade dele – se ele oferecer hospedagem, melhor ainda. Surfe nos sofás pelo mundo (o couch surfing) e você vai achar lugar para dormir de graça. Visite parentes. Acampe.

2. Ir para onde tem vontade
Sempre haverá um destino da moda – e grandes chances de o tal lugar não ter nada a ver com você. Viaje para onde tem vontade. O dinheiro não dá desta vez? Procure um lugar parecido e mais em conta.

3. Pagar primeiro, embarcar depois
Planeje-se para embarcar com o máximo possível de itens pagos. Porque na volta você vai querer começar a planejar a próxima viagem, não lidar com as dívidas da anterior.

4. Desarmar-se e não comparar
Cada lugar tem suas belezas e defeitos. Seja generoso, encante-se e releve.

5. Viajar leve…
Sugestão manjada, mas decisiva. Mala pesada só fica mais pesada durante a viagem. Na mala embarcada, eu me imponho um limite de 13 quilos para destinos de calor, e 16 a 17 para os de frio. Mais uma mochila com gadgets – máquina fotográfica, laptop se a viagem for a trabalho, muda de roupa contra extravio de bagagem ­– e a bolsa.

6. … e voltar leve também
Dez chaveiros ou ímãs de geladeira ou badulaques semelhantes podem custar o mesmo que o desenho incrível daquele artista de rua que, gente, como é possível que esteja ali quase mendigando na calçada? Os souvenirs você distribui para amigos e parentes que os deixarão esquecidos para sempre no fundo de uma gaveta; a pintura vai direto para a parede da sua sala e motivará suspiros e boas lembranças a cada vez que for olhada. Ok, tem as acusações de pão-durice por não trazer presentes (mas não se sentir obrigado a comprar para terceiros é libertador). E, bem, tem os Estados Unidos, onde em qualquer cidade de média para cima você renova o guarda-roupa com duas dúzias de peças que custam o equivalente a uma calça e uma camisa no Brasil, e onde um PS4 não sai pelo preço de uma semana de férias na Europa. Mas fora isso, comprar menos e melhor tem sido meu desafio pessoal em viagens.

7. Ao menos uma vez na vida, viajar sozinho
É autoconhecimento em dose elevada, que você carrega para todas as suas próximas viagens, em geral, na forma de paciência e generosidade com os acompanhantes.

8. Fazer uma extravagância
Um restaurante badalado, uma noite em um hotel chiquérrimo, o tal passeio de balão, a Ferrari alugada, o tratamento top do spa. Se incluir no planejamento, é bem possível que você consiga realizar um sonho de consumo a cada viagem – e fique com esse gostinho de vida boa na lembrança por muito tempo.

9. Aceitar convites
De pessoas e da vida. Sem descuidar da segurança, claro, permita-se mudar os planos. Era a Noite dos Museus em Berlim e, a caminho do Pergamon, passei pelo Cirque du Soleil recém-montado. Por curiosidade, perguntei a data da estreia a um funcionário. “Hoje. Você quer entrar?” E me deu dois ingressos vips. Era uma avant-première – e foi assim que eu, meu All Star e minha mochilinha de turista cruzamos o mesmo tapete vermelho que as celebridades locais e seus vestidos de festa.

10. Não fechar reservas restritivas demais
Se cancelar for um baita prejuízo, a reserva não vale a pena. Você pode querer ou precisar mudar de itinerário. Estava há três dias em Bratislava, capital da Eslováquia, quando o noticiário local mostrou que Cracóvia, meu próximo destino, afundava nas enchentes resultantes de vários dias chuvosos. Sentei em um café com Wi-Fi e, por e-mail, pedi cancelamento sem multa ao proprietário do apartamento que eu havia reservado. Ele aceitou. Ali mesmo pesquisei e reservei outro apartamento, dessa vez em Budapeste, na Hungria, onde o tempo estava ótimo.

11. Aprender a fotografar
Ninguém precisa ser profissional, mas apurar o olhar em vez de sair clicando tudo e todos dá muitas lições: presta-se mais atenção a cores, formas, detalhes, possíveis ângulos e aguça-se a percepção, também importantíssima, de quando não é hora de fotografar, mas de deixar a câmera de lado e apenas desfrutar.

12. Usar sapatos velhos
Os novos vão machucar ou deixar seus pés cansados antes do que você previa. Deixe para estrear sapatos em casa, e leve velhos conhecidos na mala.

13. Explorar a comida local
Sim, explorar, e não apenas comer. Conversar com pessoas – garçons, cozinheiros, vendedores na feira – para descobrir por que a carne xis aparece em tantas receitas e como é que se prepara o legume ípsilon do qual você nunca tinha ouvido falar. A comida conta histórias dos lugares .

E você, tem ideias para deixar as viagens ainda mais gostosas?

Mais conteúdo sobre:

Viagem; dicasViagem; dicas