Bons destinos, más expectativas
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Bons destinos, más expectativas

Felipe Mortara

31 Dezembro 2013 | 04h30

Ilustração: Farrell/Estadão

Mr. Miles*

Um e-mail repleto de caracteres indecifráveis chegou à redação e, com o auxílio de um criptógrafo, constatamos que nosso magnífico viajante está, agora, em Hyderabad, na Índia. “Um país, que, definitely, está milênios além de nossa condicionada compreensão ocidental, tanto do ponto de vista ético, quanto do ponto de vista espiritual e material.

É um lugar, my friends, a que posso voltar todos os anos. Aqui me sinto ora aviltado, ora perdido em todos os meus valores, ora tão néscio quanto de fato sou. Aqui, otherwise, as manhãs e os olhares me enternecem, as palavras e os silêncios são impiedosamente sábios e eu me sinto como se cada dia fosse o tempo certo de aprender a primeira lição.”


Hospedado no palácio de um velho amigo com quem jogou memoráveis partidas de xadrez a bordo do primeiro Queen Elisabeth, mr. Miles desfruta do conforto quase inacreditável de conviver com um membro da casta superior da Índia, sendo servido por um exército de silenciosos vaixás e sudras – gente que, há séculos, nasce apenas para tarefas e destinos menores.

“O rajá não é, I must say, um enxadrista desafiador”, conta-nos mr. Miles. “Mas o seu ajeitador oficial de almofadas, Rajeev (believe me: essa é a sua única função) é um profundo conhecedor dos Upanixades, que são cânticos filosóficos milenares. Cada vez que eu venho para cá, aprendo versos para compreender o incompreensível.”

A seguir, a pergunta da semana:
Mr. Miles: acabo de voltar de Punta del Este e adorei. Mas confesso que fui sem nenhuma vontade porque uma amiga que esteve lá em setembro achou a cidade decepcionante. Como um mesmo lugar pode causar impressões tão diferentes?    
Mariana Assaf Neto, por e-mail

“Elementar, my dear Mariana: destinos têm a ver com expectativas, isn’t it? As que se realizam, agradam; as que não se completam, desapontam. Did you get met? Não sou um adivinho, mas posso apostar que sua amiga buscava the same muvuca that you found recently. Mas ela foi em setembro, a pobrezinha. Punta é outra cidade fora da estação. No beautiful people. Nothing swinging. Apenas os apostadores de sempre e os cães vadiando pela Avenida Gorlero.

Isso não quer dizer, of course, que Punta del Este é um lugar agradável apenas quando está cheio de viajantes. Eu, por exemplo, prefiro mil vezes visitar a cidade quando não há tantos argentinos pelas ruas repetindo que as Falkland pertencem a eles. Aliás, prefiro a paz.

Repare bem, darling: esse raciocínio se aplica a qualquer lugar e a qualquer expectativa. Os Alpes suíços sem neve são uma frustração para quem pratica esportes de inverno. Mas, com o calor impiedoso que temos vivido depois que resolvemos aquecer o planeta, não há lugar mais agradável para se passar o verão. The Caribbean can be dangerous entre julho e outubro. Mas, quando a expectativa é ir ao paraíso com preços acessíveis, quem vai ligar para uma ventania?

Eis porque sou um adepto de viagens sem expectativas. Se você partir com o espírito aberto, sempre haverá o que a encante e a surpreenda. Se, however, sua meta estiver predeterminada, basta não encontrá-la para não encontrar mais nada. Don’t you agree?
P.S.: Tenham todos um happy new year, my friends!”

*É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO.
ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E
16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS