Delícias de rua em território nacional
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Delícias de rua em território nacional

Adriana Moreira

01 Março 2010 | 20h58

Pode desfazer a careta. Embarcar em uma viagem rumo ao universo das comidas de rua exige um certo desprendimento. Por isso, livre-se dos preconceitos, pegue seu talher de plástico e o guardanapo (se estiverem disponíveis) e dê uma abocanhada, com gosto. Parabéns: você acaba de ter uma autêntica experiência gastronômica.

Afinal, nessas barraquinhas, espalhadas por quase o mundo todo, não são vendidos apenas petiscos ou lanches rápidos. Nelas encontra-se também um resumo dos hábitos alimentares daquela região, ingredientes típicos e sabores que dificilmente poderão ser reproduzidos em outro lugar.

O Brasil tem inúmeros (e excelentes) exemplos de boa gastronomia de rua. Onde houver uma grande concentração de pessoas, seja na praia, no estádio de futebol ou em uma rua movimentada, haverá uma barraquinha. A chef Flávia Quaresma, formada na França, não dispensa esse tipo de iguaria. “Adoro. Meu pai diz que tenho o estômago blindado”, brinca. Em suas viagens – muitas delas, realizadas no extinto programa Mesa pra Dois, da GNT – ela faz questão de provar os quitutes locais.

Flávia, que adora o pastel vendido em frente à quadra da Magueira, dá algumas dicas para provar seu petisco sem medo: “Busco sempre informações com os locais e dou uma olhada nas condições de higiene da barraca”, recomenda Flávia. “Barraca cheia e com boa fila abre o apetite. Afinal de contas, com a rotatividade a comida deve ser sempre mais fresquinha.”


Abaixo, uma pequena amostra do que se pode encontrar nas ruas de cidades pelo Brasil. Bom apetite!

Salvador – BA

Programa obrigatório na Bahia, acarajé é preparado apenas pelas

Programa obrigatório na Bahia, acarajé é preparado apenas pelas "filhas de Xangô" e não pode ter a receita alterada. Sentiu o privilégio? Foto Solange Rossini/Divulgação

Comer acarajé em Salvador é tão obrigatório quanto visitar o Pelourinho (onde as versões vendidas não são das melhores) ou o Elevador Lacerda. Para saborear o tradicional bolinho feito de massa de feijão fradinho frito em óleo de dendê sem medo, o melhor é seguir para as barracas famosas e sempre cheias do Rio Vermelho.

Mas se você já é um expert no quitute, pode degustá-lo como petisco de praia – em Salvador e arredores, sempre há um tabuleiro estrategicamente armado para matar a fome depois de um dia inteiro de sol e mar. O acarajé – que se tornou patrimônio da cidade de Salvador – normalmente vem acompanhado de vatapá, caruru e, em alguns casos, salada (quase um vinagrete) e camarão salgado. Pode ser comido como um sanduíche ou no prato, com o acarajé picado em pedacinhos. Uma delícia literalmente dos deuses.

Sim, porque o acarajé é servido como oferenda a Xangô, no candomblé. Considerado uma comida santa, é preparada apenas pelas “filhas de Xangô” e não pode ter a receita alterada. Sentiu o privilégio? Só não esqueça da recomendação básica: se a baiana perguntar se quer quente ou frio, responda sempre frio. A não ser que queira a pimenta para lá de caprichada.

São Paulo – SP

Não há programa mais paulistano que ir à feira no domingo e pedir um pastel com caldo de cana. Pode comer em pé ou nos banquinhos de plástico, adicionando vinagrete, catchup ou o que mais o dono da barraca inventar. Dependendo da quantidade que se compre, alguns até oferecem um outro pastel, de brinde. Afinal, vale tudo para fidelizar a clientela.

Pastel de feira só vale se for feito na hora Foto: Sergio Neves/AE

Pastel de feira só vale se for feito na hora Foto: Sergio Neves/AE

Os indefectíveis sabores de carne, queijo e palmito há tempos não são mais os únicos do cardápio. As opções ficaram tão variadas quanto os menus das pizzarias da cidade, com misturas conhecidas como frango com catupiry, camarão, portuguesa… Das redondas, os pastéis imitaram também os sabores doces: banana com canela, brigadeiro e por aí vai.

No ano passado, um concurso elegeu as melhores barracas de feira da cidade para saborear o quitute. A vencedora foi a Barraca da Maria, que bate ponto às quintas-feiras na Praça Charles Miller, no Pacaembu.

Barraca da Maria, vencedora do concurso das feiras Foto: Sergio Neves/AE

Barraca da Maria, vencedora do concurso das feiras Foto: Sergio Neves/AE

Fora da capital, o Pastel do Trevo, em Bertioga, na Rio-Santos, começou como uma barraquinha. O tamanho generoso de 30 centímetros (vale por dois de tamanho normal) e a fartura de recheio deram fama ao lugar, que ganhou mais espaço na entrada da cidade. E até filiais, como a do Tatuapé, na zona leste de São Paulo, e da Pompeia, na zona oeste. O preço também cresceu: alguns sabores chegam a custar R$ 12. Seja qual for o endereço escolhido para saborear o pastel, o caldinho de cana para acompanhar é de praxe. Quer combinação melhor?

Olinda

Subir a ladeira da Misericórdia, em Olinda, não é tarefa das mais fáceis. É preciso fôlego e disposição para encarar a rua para lá de íngrime que leva ao Alto da Sé. O sacrifício vale a pena, e não apenas pela bela paisagem que se avista lá do alto. Afinal, lá em cima você poderá repor as energias com as famosas tapiocas.

São aproximadamente 30 barracas, que vendem a massa de fécula de mandioca recheada dos mais variados sabores. Queijo coalho, frango, charque e até opções doces, com doce de leite e goiabada, por exemplo estão no cardápio. Os preços variam de R$ 3 a R$ 5.

Massa.... Foto: Mônica Nóbrega/AE

O mais difícil é ter de escolher o recheio... Foto: Mônica Nóbrega/AE

Em 2005, o Sebrae acompanhou as tapioqueiras, oferecendo, em parceria com a Prefeitura, cursos para melhoria no atendimento e na manipulação dos alimentos. Houve até a tentativa de uma padronização de roupas e logomarca, que não vingou. Mas as tapiocas continuam deliciosas.

Belém – PA

leg leg leg Foto: Jean Barbosa/Paratur

De tão típico, o tacacá ganhou também os restaurantes do Norte do País. Foto: Jean Barbosa/Paratur

O primeiro gole do tacacá pode travar a língua. Seu buquê não é daqueles de dar água na boca. Mas é obrigatório incluí-lo na lista “do que conhecer” quando se está em território nortista. Mesmo porque esta é só a primeira impressão dos desavisados, que acham que vão tomar alguma sopinha mais básica.

Na verdade, trata-se de uma iguaria indígena. E o que dá o gostinho típico é o tucupi (ou, em outras palavras, o suco da mandioca), além das folhas de jambu, responsável por, segundo dizem, dar um toque afrodisíaco ao preparado.

Não se assuste com o “travar” da língua logo nos primeiros goles – outra das responsabilidades do jambu. Nada que um paladar apurado e o envolvimento com o exotismo de sua história não supere.

De tão típico, o tacacá ganhou espaço também no cardápio da grande maioria dos restaurantes do Norte do País. Mas se mantém, firme e forte, pelas esquinas de Belém e no tradicional mercado Ver-O-Peso. (Cristina Vieira)