Frio na barriga em um voo sobre as geleiras
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Frio na barriga em um voo sobre as geleiras

Adriana Moreira

26 Novembro 2013 | 13h00

Com emoção: a Cordilheira Darwin, ao fundo. Foto Marina Pauliquevis/Estadão

MARINA PAULIQUEVIS, PORTO WILLIAMS

Normalmente, o trajeto de avião de Porto Williams a Pampa Guanaco leva cerca de 35 minutos, mas, para apreciar as montanhas nevadas da Cordilheira Darwin, glaciares azulados, florestas de lengas, lagos e o mar de água verde, é preciso um pouco mais de tempo. O dobro, para ser exato.

O sobrevoo pela Patagônia é de tirar o fôlego. Com tempo bom e céu limpo, a paisagem compensa qualquer susto durante o trajeto – mesmo sem turbulência, a cada montanha que o avião ultrapassa sente-se um solavanco (e um consequente friozinho na barriga). Nada que o experiente piloto Luis Utman não tire de letra. Ele até brinca antes da decolagem: “Como não teremos turbulência, vamos voar invertido”.

Sim, eu havia tido a oportunidade de ver os glaciares do navio e, mais tarde, de uma trilha por terra. Mas é só lá do alto que se tem uma ideia real do tamanho gigantesco dessas geleiras.

Nesta época do ano, quando as temperaturas estão mais altas, percebe-se nitidamente a diferença entre a água do degelo e a do mar. A primeira, mais clara, leitosa (resultado da mistura de sedimentos com o gelo derretido), se esparrama sobre a segunda, em tom verde-esmeralda.

Impressionam também as incontáveis clareiras deixadas na floresta pelos castores, que derrubam as árvores para construir represas onde passam o inverno com a família.

O avião bimotor turboélice com capacidade para 19 passageiros da companhia DAP não faz esse voo regularmente, mas aceita pedidos ao custo de US$ 6.500. É possível, contudo, ter uma ideia desse cenário sem precisar gastar tanto, no voo entre Porvenir e Punta Arenas.

O trajeto dura meia hora e os voos são regulares, com preço desde US$ 60. São só 12 minutos, o suficiente para observar o mar do Estreito de Magalhães, pampas e lagos – inclusive um com a água rosada em decorrência da ação de algas.