As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Hospedagem com sustos

Tania Valeria Gomes

27 Maio 2009 | 15h18

Nosso bronzeado viajante retornou da Tunísia e encontrou a Grã-Bretanha mergulhada em uma grave crise política, com denúncias de corrupção envolvendo o gabinete do Primeiro Ministro, as lideranças do Parlamento e toda a classe política. Shame on us, indignou-se o bravo viajante, para quem os problemas de compostura têm sido tão danosos para nosso Reino quanto a saúva foi para o Brasil.
Sobre o fato de que se tornou público o hábito de Gordon Brown maquiar-se, mr. Miles comentou que a piada corrente nos condados ingleses é a de que o Primeiro Ministro atende agora por Gordon Rose.
A seguir, a correspondência da semana:

Prezado Mr. Miles: acabo de passar por uma terrível experiência de hospedagem em Mestre, na Itália. O hotel, que escolhi pela internet, ficava ao lado de um inferninho, com música insuportável a noite toda. Fui reclamar e o gerente me disse para lamentar-me com o dono do inferninho. Como evitar experiências assim?
Vasco Ruiz Pomares, por email

Well, my friend, I’m very sorry about you. Sua experiência me faz lembrar uma série de outras, ocorridas com alguns amigos e leitores indignados. São situações recorrentes. A mais divertida delas (ainda que very disgusting) aconteceu com um casal de amigos alemães. Wolfgang e Heidi, viajantes econômicos e autosuficientes, encontraram, na net, um pequeno hotel em Veneza por acaso bem ao lado da cidade de Mestre que você citou. Era, of course, um prédio antigo. O apartamento que ocuparam, no quarto andar, tinha o piso de tal forma inclinado que Wolfgang e Heidi acabaram tendo relações sexuais não-planejadas. Mas esse foi um benefício inesperado para o casal já de há muito entrado nos sessenta. O que os incomodou foi descobrir que a parede de seu quarto era toda grafitada com frases e desenhos obscenos, como se fosse a cela de uma penitenciária. O casal foi pedir que trocassem seu apartamento para a noite seguinte e, believe me, ouviu do gerente que todos os quartos tinham inscrições parecidas. “Mas vocês não limpam essa sujeira?”, protestou Wolfgang. “Ma che sujeira“? replicou o funcionário ?, “Questo e stilo!!!”.
Em outras palavras, fellow, bons conselheiros, agentes de viagem confiáveis e publicações com credibilidade ainda são um caminho mais seguro para evitar roubadas. Be careful com home pages repletas de jactância e websites que não exibam opiniões de hóspedes que já visitaram o estabelecimento. Você corre o risco de dormir ao lado de um ninho de camundongos (aconteceu com minha pobre tia Henriette), ou de reservar um seaview room que fica a cinco quilômetros da praia e oferece lindos posters da orla pendurados nos apartamentos. Do you know what I mean?
Ainda assim, é preciso ter cautela. O gerente de meu pub predileto em Dover, Todd Rivers, relatou-me, certa vez, que, foi para Toledo na Espanha com sua beloved Nancy e elegeu um hotel bem avaliado em um website por sua localização, limpeza e tamanho dos apartamentos. Quando chegou ao local, com a reserva devidamente paga, descobriu, however, um banheiro de dimensões tão diminutas que só lhe permitia usar o vaso sanitário com a porta aberta, com os pés, as tíbias e os perônios invadindo o sleeping-room. O pobre Todd, by the way, tem 2 metros e 3 centimetros de altura…