Ingredientes frescos. Eis o segredo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ingredientes frescos. Eis o segredo

Fabio Vendrame

25 Março 2014 | 03h30

Estrogonofe servido no Glasi Hergiswil – Foto: Felipe Mortara/Estadão

HERGISWIL

Convenhamos que a Suíça não é exatamente famosa por sua gastronomia. Menções honrosas feitas a fondue e raclete, que popularizaram o queijo helvético, mais a justa lembrança de algumas sobremesas que podem se beneficiar do famoso chocolate produzido no país e está resumida a culinária local para a maioria dos comensais.

De fato, tempero, ousadia e criatividade não são aspectos muito marcantes aqui. Mas o que posso afirmar com convicção é que jamais comi vegetais tão frescos como os suíços. Nem os brasileiros, acredite, têm tanto sabor, perfume e frescor quanto os que provei em território suíço.


Algumas experiências à mesa merecem destaque. Em Hergiswil, o restaurante Glasi Hergiswil serviu um delicioso estrogonofe (17 francos ou R$ 45,30) preparado com pouco creme de leite e muito molho de tomate. Pena que o chope Eichhof, de tão leve, carecia de personalidade.

Já as loiras da cervejaria artesanal Entlebucher Bier são excelentes. Na pequenina cidade de Entlebuch, de 3 mil habitantes, perto de Lucerna, três amigos começaram se reunindo aos fins de semana e hoje produzem 700 litros semanais de quatro tipos – as de trigo são, de longe, as melhores. Cada garrafinha de 350 ml sai por 4 francos suíços (R$ 10,65).

Chef cantor. Na mesma cidadezinha, o restaurante Bahnhöfli fica em uma casa ampla e envidraçada a poucos passos da estação de trem. A salada com queijo de ovelha é excelente (7,50 francos ou R$ 20). Mas atração mesmo é a chegada dos pratos principais: são servidos pelo próprio chef, Willy Felder, que enche o salão com sua voz cantando ópera. Todos dão a primeira garfada sorrindo. / F.M.

Notícias relacionadas

Mais conteúdo sobre:

GastronomiaSuíçaGastronomiaSuíça