João Pessoa vira palco de música clássica
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

João Pessoa vira palco de música clássica

Adriana Moreira

05 Dezembro 2013 | 15h40

Bruna Toni, Especial para o Estado / JOÃO PESSOA

Não é dia nem hora de passar correndo pelo centro histórico de João Pessoa, na Paraíba. Quem o fizer estará perdendo a chance de apreciar – mais do que apenas ouvir – artistas do mundo todo tocando flauta, piano, viola, clarinete, violino… É o Festival Internacional de Música Clássica que, pela primeira vez, toma a cidade paraibana.

Apresentação do ucraniano Igor Bobylev no Mosteiro de São Bento, em João Pessoa – Foto: HÉLVIO ROMERO/ESTADÃO

O evento, que teve início no domingo e contou com a presença de mais de 6 mil pessoas no Adro da Igreja de São Francisco, na parte antiga de João Pessoa, vai até o próximo sábado e promete ainda muita emoção. Apesar de algumas apresentações serem feitas em locais como a Estação Ciência e a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), a maioria dos concertos ocorre dentro das igrejas da cidade. O silêncio peculiar a este espaço só é rompido pelos acordes de uma sonata de Bach ou de Beethoven, por exemplo.


Ninguém se atreve a falar. Nem as crianças que, ao lado de turistas e pessoenses mais velhos, estão tendo a oportunidade de ouvir música erudita. A maioria dos pequenos faz parte de um projeto que permite aos alunos da rede municipal de ensino participar do Festival dentro do período de aula. O silêncio parece ser a norma que ninguém combinou. Vem, talvez, da surpresa de casa acorde, da sensação de paz que, inevitavelmente, a música e o ambiente proporcionam.

Foi assim no concerto realizado na Igreja e Mosteiro de São Bento, na quarta-feira. O palco do espetáculo regido pelo ucraniano Igor Bobylev e pelo brasileiro Paulo Álvares, que mora da Alemanha, data do início do século XVII. A arquitetura barroca de sua construção, porém, parece ganhar um tom jovial ao receber pessoas de idades, classes sociais e origens tão distintas.

“Estamos muito contentes de poder ver isso. Até no Rio de Janeiro é raro, é algo muito europeu. Na Alemanha, por exemplo, existem apresentações como esta ao menos uma vez por mês. Podemos unir duas coisas: conhecer as igrejas, que nem sempre estão abertas, e assistir aos concertos”, conta Guisela Spolidoro.

O casal Guisela Spolidoro e Ronaldo Spolidoro, juntos há 50 anos, elogia a iniciativa – Foto: Bruna Toni

Aos 70 anos, a alemã-carioca está aproveitando a passagem por João Pessoa, onde moram filho e netos, para acompanhar o Festival Internacional de Música Clássica ao lado do marido, Ronaldo Spolidoro, 73. Amante do estilo, Ronaldo está gostando do que anda assistindo por essas terras quentes da Paraíba. “O que Brahms tem de pomposo, Enescu tem de melodia”, comenta logo após a apresentação terminar – Le Grand Tango, de Astor Piazzola, foi a última música a ser tocada e um dos pontos altos da apresentação da dupla.

E se engana quem pensa que apenas os mais velhos se interessam e conhecem música erudita. Kevin Melo e Rodrigo Trigueiro, ambos com 15 anos, sentaram no último banco da igreja. Entre um e outro comentário, vão acompanhando atentamente Igor Bobylev na viola e Paulo Álvares no piano. Estudantes de música no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), eles escaparam das aulas para poder acompanhar o evento. “É um projeto que serve de incentivo e quebra a lenda de que músico não tem futuro”, afirma Rodrigo, que toca baixo acústico desde pequeno e quer entrar para a Orquestra Jovem.

Sob os olhares e aplausos de um público para lá de variado, João Pessoa tem vivido uma semana de efervescência cultural. Nas palavras do maestro e diretor artístico do Festival, Laércio Diniz, a cidade pode ser comparada a Campos do Jordão, em São Paulo, graças à dimensão que o evento tomou. Para quem está de passagem pela cidade ou visita os arredores, vale a pena dar uma paradinha em algum ponto, nem que seja para ouvir, por alguns instantes ou até o fim, apenas uma das dez apresentações que ainda restam na programação. 

Confira as apresentações desta quinta-feira:

16h – Local: Igreja Batista/ Av Presidente Getúlio Vargas cp 185

Capacidade do local: 600 pessoas

Entrada gratuita

Intérpretes: Quinteto de Sopros MUSARUM (João Pessoa) Vanessa Rodrigues – Flauta; Cyntia Espinoza – Oboé; Danielly Dantas – Clarinete; Conceição Silva – Trompa; Bruna Heloísa – Fagote

 Programa – Mozart – Abertura de A Flauta Mágica (Adágio e Allegro) – Arranjo J. Linckelmann; Haydn – Divertimento. Arranjo Harold Perry (Allegro con spirito /Andante quasi allegretto (Chorale St Antoni) / Menuetto/ Rondo (Allegretto); Raphael Baptista: Instantâneos Folclóricos nº 1 (Marcha do Soldado Biruta/ Bagunça com o gato/Tema, Valsinha e Chorinho; Jacob do Bandolin – Doce de Coco; André Filho – André de Sapato Novo (arranjo Duda); Waldir Azevedo – Pedacinho do Céu; Zequinha de Abreu – Tico Tico no Fubá

 18h – Recital. Com Kerstin Kendler (Alemanha) – Violino; Igor Bobylev (Ucrânia) – Viola; Arjan Woudenberg (Holanda) – Clarinete; Ana Maria Chamorro (Brasil) – Violoncelo

Local: Igreja do Carmo/ Praça Dom Adauto s/nº

Capacidade do local: 300 pessoas

Programa: Mozart – Duo em sol maior Kv 423 (Allegro/Adagio/Allegro (Rondeau); Crussel – Quarteto para clarinete e cordas em do menor op 4 (Allegro molto agitato/ Menuetto/  Pastorale/ Rondo); Martinu – 3 madrigais para violino e viola (Poco allegro/ Poco andante/Allegro); Haendel – Passacaglia para violino e viola (arranjo Hallvorsen)

 20h – Local: Federação Espírita Paraibana (Av. Gen. Bento da Gama, 555 – Torre)

Capacidade do local: 800 pessoas

Entrada gratuita

Intérpretes: Alberto Johnson (Brasil/Holanda) – Violino/ Pamela Kubik (Argentina) – Violino/ Samuel Espinoza (Brasil/Chile) – Viola/ Ana Maria Chamorro (Brasil) – Violoncelo

Programa: Bach – A arte da fuga (Allegro moderato/ Allegro vivo / Andante); Puccini – Crisantemi (Andante); Arriaga – Quarteto nº 3 (Allegro/Pastorale andantino/Menuetto alegro, plus lent/ Presto agitato); Gianneo – Lamento Quichua (Lento); Piazzolla – La muerte del Ángel (Allegro)

 Para mais informações sobre o Festival Internacional de Música Clássica, acesse:  www.festivaldemusicajoaopessoa.com.br