Mix de influências e experimentações marcam mesa kiwi
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mix de influências e experimentações marcam mesa kiwi

Fabio Vendrame

28 Janeiro 2014 | 03h30

Prevalece a agricultura orgânica no país – Foto: Alessandro Lucchetti/Estadão


Come-se bem na Nova Zelândia. Não pense que é obra do acaso, mas da combinação feliz de uma série de fatores: bons ingredientes, população rarefeita (apenas 4 milhões de habitantes), cidades pouco poluídas. Há também uma cultura de agricultura orgânica, que resulta em produtos de alta qualidade.

Aliado a isso tudo, a culinária neozelandesa se inspira em fontes europeias, asiáticas e polinésias. A “importação” de chefs tailandeses, filipinos e vietnamitas, agregada à tradição maori, deu origem a um estilo gastronômico inclinado à experimentação.

Há oferta abundante de carne – ninguém se cansa de comparar o número de ovelhas, 40 milhões de cabeças, com o da população. É difícil escapar, portanto, da costela de carneiro à moda marroquina, servida em toda parte. E por que você deveria fazê-lo?

Hora do rush na Nova Zelândia – Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Com cerca de 14 mil quilômetros de costa, a Nova Zelândia foi aquinhoada também com vasta oferta de frutos do mar, como o bacalhau azul da Ilha Sul. Dá para comê-lo até em forma de hambúrguer – no Fergburger, de Queenstown, a opção é o espirituoso The Codfather. Vem com alface, tomate, cebola e molho tártaro, e custa NZ$ 14,50 (R$ 28,50).

Alguns pratos são particularmente apreciáveis. É o caso da sopa de kumara, tipo de batata doce local, que pode ser consumida com casca, cozida, frita ou fatiada. Outros ingredientes especialíssimos enriquecem o cardápio, como o tamarillo (tipo de tomate), o conhecido kiwi e a feijoa, espécie de goiaba.

A sobremesa recomendada é a pavlova, merengue de creme e frutas vermelhas. Os neozelandeses reivindicam a criação dela, assim como os australianos.

Quem visitar a Sky Tower, em Auckland, pode aproveitar também para jantar com a vista da cidade. No The Sugar Club, a fusion cuisine se faz presente em pratos como as vieiras com molho teriyaki de enguia defumada, limão e banana. Dois pratos custam desde NZ$ 68 (R$ 134,50). /A.L.