Nós Testamos: veja prós e contras da conexão no Panamá
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Nós Testamos: veja prós e contras da conexão no Panamá

Bruna Toni

14 Julho 2016 | 17h45

Aeroporto do Panama - Carlos Jesso/Reuters

Aeroporto do Panama – Carlos Jesso/Reuters


Por Adriana Moreira

A Copa Airlines fez da Cidade do Panamá seu hub, com voos para 76 destinos de 31 países, incluindo Estados Unidos e Canadá. Para quem sai do Brasil, em uma das sete cidades em que a companhia opera, há vantagens significativas – e algumas desvantagens também. Veja a seguir.

 


PRÓS

Conexões mais diretas. Quem vai para o Caribe evita toda a burocracia da imigração nos Estados Unidos, dispensa o visto americano e ainda ganha tempo. De São Paulo à Cidade do Panamá são sete horas. Já quem vai para cidades nos EUA como São Francisco ou Los Angeles conecta melhor do que quem chega via Miami, por exemplo.

Tudo no mesmo lugar. O aeroporto da Cidade do Panamá é relativamente pequeno – você não precisa percorrer quilômetros entre o desembarque e o portão para o destino seguinte. E só é necessário passar pela imigração panamenha se for sair do aeroporto.

Stopover sem taxas. Dá para estender a passagem e ficar na Cidade do Panamá por alguns dias sem pagar nada a mais por isso. Avise antes de emitir a passagem.

Pontualidade. Segundo estudo da empresa de dados especializada em aviação OAG, o Aeroporto do Panamá é um dos mais pontuais do mundo, com índice de 92,5%.

Comprinhas. Se o seu destino final for os Estados Unidos, é possível que não compense comprar nada no aeroporto panamenho, apesar dos produtos não terem impostos. Veja os preços no voo de ida e, se for o caso, compre na volta.

 

VEJA TAMBÉM – Dicas sobre transportes em viagens

 

CONTRAS

Poucas opções de alimentação. Há apenas algumas lanchonetes no aeroporto, que vendem basicamente pizzas, cachorros-quentes e outros lanches. Como o voo da Copa é bastante contido nas refeições, acredite: você terá fome.

Limpeza pode melhorar. Em Guarulhos, as mantas do voo vieram embaladas em sacos plásticos. Desembarquei no Panamá para seguir aos EUA, por coincidência na mesma aeronave – e os cobertores estavam apenas dobrados. Alguns passageiros ficaram sem cobertas. O mesmo se repetiu no voo de volta.