As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

O que você sabe sobre os Patrimônios da Humanidade que estão no Brasil? Faça o teste e descubra

Bruna Toni

25 Julho 2016 | 13h42

Demorou 20 anos, mas, mais uma vez, a história de que mineiro come quieto vingou. Na lista de indicados do Brasil a Patrimônio Cultural da Humanidade desde 1996, o Conjunto Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, retomou o interesse na candidatura em 2012 e, no último dia 17 de julho, conquistou o título concedido pela Unesco, em cerimônia realizada em Istambul, na Turquia.

Projetado por Oscar Niemeyer e enriquecido pelo paisagismo de Roberto Burle Marx e as pinceladas de Cândido Portinari, o complexo engloba quatro edifícios construídos entre 1942 e 1943 no entorno do espelho d’água da Lagoa da Pampulha, na zona norte da capital mineira.

O mais icônico deles, sem dúvida, é o da Igreja de São Francisco de Assis, de contornos ondulados e traços azuis que lhe garantem um charme inconfundível, próprio dos cartões-postais. Ao seu redor estão o prédio horizontal do antigo cassino que, em 1959, se transformou em museu; a Casa do Baile, atualmente Centro de Referência em Urbanismo, Arquitetura e Design de BH; e o Iate Golfe Clube, tombado pelo Iphan em 1994. Todos abertos à visitação.


Com o título, a Pampulha se tornou o 20.º sítio brasileiro na lista da Unesco, fechando um ciclo que começou com outra mineirice, a cidade de Ouro Preto, eleita em 1980. Minas, aliás, é o Estado que mais conta com representantes – são quatro até agora, incluindo o Santuário Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo, e o centro histórico de Diamantina.

Para comemorar o título concedido à Pampulha, Belo Horizonte deixou de lado, porém, a tal fama mineira de ser quietinha e investiu em uma agenda cultural extensa, feita em parceria com o Sesc, que vai até 22 de agosto. Tem exposições, corridas, shows e espetáculos infantis – a programação completa está em belohorizonte.mg.gov.br.

Além da Pampulha, a 40.ª sessão do Comitê do Patrimônio Mundial elegeu outros novos 20 sítios espalhados pelo mundo, chegando a 1.052 bens. Quais são eles você confere na galeria a seguir.

Os 21 novos Patrimônios da Humanidade eleitos pela Unesco
Athaina Nogueira/Acervo FMC
Patrimônios mundiais que serão seus próximos destinos

Demorou 20 anos, mas aquela história de que mineiro come quieto voltou a vingar. Na lista de indicados do Brasil à Patrimônio Cultural da Humanidade desde 1996, o Complexo Arquitetônico da Pampulha, em Belo Horizonte, Minas Gerais, retomou a candidatura em 2012 e, no último dia 17 de julho, ganhou finalmente o título concedido pela Unesco. Além da obra mineira de Oscar Niemeyer, a 20.ª brasileira a entrar para a cobiçada lista internacional com, agora, 1.052 sítios espalhados pelo mundo, foram eleitos outros 20 patrimônios em 2016. Com informações da própria Unesco, destacamos quais são e a importância deles à humanidade. E, se quiser testar seus conhecimentos sobre os patrimônios brasileiros, faça o quiz aqui.