Para encher os olhos – e acelerar o coração
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para encher os olhos – e acelerar o coração

Fabio Vendrame

28 Janeiro 2014 | 03h40

Você reconhece que está num lugar inesquecível quando cruza um corredor de gelo, as cachoeiras deságuam no oceano e o teto da caverna começa a brilhar

Parque Nacional Tongariro, na Ilha Norte – Foto: Tiago Queiroz/Estadão


Parque Tongariro – Eis mais um cenário vivo da saga O Senhor dos Anéis. Para contemplar crateras, lagos de um tom de verde único, vulcões (ativos), densas florestas e campos de lava, é preciso encarar a Tongariro Crossing, travessia de 19 quilômetros realizada em um dia – mas dependente da condição climática. Taupo, vizinha a Rotorua, serve de base para os caminhantes. 

Fox Glacier, na Ilha Sul – Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Glaciares – Entre Queenstown e Christchurch, na Ilha Sul, a geleira Fox Glacier atrai por um programa único: caminhar entre paredões de gelo com mais de 20 metros de altura. Claustrofóbico? Talvez. Mas não dá para negar que se trata de algo singular. Os guias oferecem roupas especiais para você aguentar o clima de geladeira e botas com ganchos de aço para caminhar por cinco horas sobre o gelo liso. A trilha é pré-demarcada e ninguém avança os limites, pelo bem do meio ambiente. Na cidade vizinha, Franz Josef, dá para se aquecer: hotéis contam com piscinas termais.

Os fiordes de Milford Sound, na Ilha Sul – Foto: Tiago Queiroz/Estadão

Milford Sound – O litoral recortado de Milford Sound, com belos paredões e cachoeiras que deságuam direto no mar, parece irreal. Barcos levam os turistas nesse trajeto, que pode durar de 45 minutos a 2 horas. Mais difícil é chegar nessa região: são cinco horas de ônibus desde Queenstown (mas a estrada é belíssima). Se preferir, volte de avião, observando o visual de outro ângulo.

As cavernas de Waitomo, na Ilha Norte – Foto: Absolute Adventure/Divulgação

Waitomo – Glowworms. Você vai ficar totalmente familiarizado com essa palavra assim que chegar à cidade, a 2 horas de Auckland. Antes de dizer do que se trata, vamos contextualizar: Waitomo é um gigantesco parque de cavernas, com mais de 45 quilômetros de túneis. Algumas são fechadas para o público; outras, reservadas aos mais aventureiros (você usa boias para se locomover pelos canais da Ruakuri Cave no Black Water Rafting). E, na Glowworm Cave, dá até para levar sua avozinha. Depois de caminhar brevemente pela caverna, um barquinho conduz à verdadeira atração. Na escuridão total, o teto da caverna mais parece um céu estrelado. São eles, os glowworms: larvas cuja bioluminescência empresta uma beleza ímpar ao lugar.