Porto Alegre na Copa: um roteiro de três dias
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Porto Alegre na Copa: um roteiro de três dias

Adriana Moreira

18 Março 2014 | 02h50

Mônica Nobrega

Alerta climático para turistas: Porto Alegre é uma das cidades mais frias do Brasil durante o inverno, período da Copa, com temperatura média de 13,2 graus. Indispensável ter na mala um bom casaco, luvas, gorro e cachecol, para aproveitar também as atrações ao ar livre.

[galeria id=9986]

O hábito mais arraigado do dia a dia dos gaúchos ajuda a aquecer: compre logo a sua cuia de chimarrão e vire adepto do chá quente e amargo.


Em três dias inteiros em Porto Alegre é possível ter uma bela noção geral da capital, comer bem e ainda dar um pulo à linda Serra Gaúcha. O Beira-Rio, que hospeda o torneio, está fechado a visitas até lá, inclusive o Museu do Inter. Veja o roteiro – todos os pontos sugeridos estão marcados no mapa (basta arrastar para ver Gramado, mais acima). Boa viagem e boa Copa!

 

 

 

Dia 1: Do city tour à boemia
A Linha Turismo, para fazer city tour pelas principais paradas históricas e descer nas que desejar, funciona das 9 às 17 horas (o terminal fica na Travessa do Carmo, 84, Cidade Baixa; R$ 18 a R$ 20 por pessoa). Por conta própria não é tão complicado de ônibus e táxi (estacionar é um problema). Comece o dia no Parque Farroupilha, pertinho do centro, para ver moradores bebendo chimarrão sob as árvores. Domingo ali é dia de Brique da Redenção (briquedaredencao.com.br), mercado ao ar livre de itens de segunda mão, artesanato e comida.

Parcialmente destruído por um incêndio no ano passado, o Mercado Público está em obras. Mas o restaurante Gambrinus (gambrinus.com.br), lá dentro, segue sendo boa pedida para o almoço. Tradicionalíssimo, aboletado por ali desde 1889 (o prédio do mercado é 20 anos mais antigo), trabalha em esquema de três ou quatro opções de prato do dia.

Consulte antes as programações para decidir se dedica o começo da tarde ao Santander Cultural (santandercultural.com.br) ou à Casa de Cultura Mário Quintana (ccmq.com.br), ambos pelos arredores. Fim de tarde é hora de Usina do Gasômetro (Avenida Presidente João Goulart, 551), para ver o pôr do sol acomodado na orla do Lago Guaíba.

E quando a noite chegar, siga para a Cidade Baixa. É o endereço certo da boemia descolada de Porto Alegre. O Paraphernália (paraphernalia.com.br) tem música brasileira; o pub Dirty Old Man (dirtyoldman.com.br), novinho, ambientação inspirada na obra do escritor Charles Bukowsky.

Dia 2: Longe se vai
É dia de pegar táxi para atrações mais distantes. Pela manhã, o ótimo Museu de Ciência e Tecnologia da PUC (pucrs.br/mct; R$ 17). Almoce churrasco como se deve na Churrascaria Galpão Crioulo (churrascariagalpaocrioulo.com.br), com 20 variedades de carnes no rodízio.

Para começar a tarde, a Fundação Iberê Camargo (iberecamargo.org.br; grátis) é o museu mais bonito de Porto Alegre. Depois, siga ao bairro Moinhos de Vento, para relaxar no Parcão, comprar no Moinhos Shopping (moinhosshopping.com.br) e jantar em algum dos restaurantes da Rua Fernando Gomes ou da elegante Padre Chagas. Finalize no bar de vinhos Vinum (vinum.com.br), que tem bons rótulos em taça.

Dia 3: Rumo a Gramado
Saia da capital para ter um gostinho de Serra Gaúcha em um bate-volta fácil. De Porto Alegre a Gramado (gramado.rs.gov.br) são cerca de 2 horas. Os ônibus partem da rodoviária desde as 6 horas; de R$ 25 a R$ 35 cada trecho com a Citral (citral.tur.br).

Chegue por volta das 10 horas, vá direto ao centro e procure um dos vários endereços que servem o café colonial: um brunch exageradamente grande com vinho, suco, café, bolo, torta doce e salgada, pão, sanduíches, linguiça e ainda dezenas de sobremesas. Na Torre Café Colonial (torrecafecolonial.com.br), custa R$ 55 por pessoa. Ah, esqueça o almoço.

No centro, admire as construções enxaimel, de origem alemã. Vá à Rua Coberta (de vidro), de comércio; ao Palácio dos Festivais, sede do Festival de Cinema de Gramado (só abre em horário de sessão, mas vale a foto); e a chocolaterias, com lojas e visitas à produção. O Parque do Lago Negro é para caminhar e pedalar. O Mini Mundo (minimundo.com.br; R$ 18) encanta com mais de 160 miniaturas de construções e monumentos pelo planeta.

Compre a passagem de retorno para um dos últimos ônibus do dia e fique para jantar em Gramado. Sugestões: o fondue do restaurante Gasthof Edelweiss (restauranteedelweiss.com.br) e o galeto da Casa di Paolo (casadipaolo.com.br). Reservas são recomendáveis para quem tem tempo contado – mais ainda é ficar três dias e visitar também a vizinha Canela.

Dicas de morador: Cris Berger
Cris Berger deixou Porto Alegre, sua cidade natal, para morar em São Paulo há um ano.  Mas não perdeu a conexão com a capital gaúcha: há apenas um mês, lançou o livro 101 Lugares para se Conhecer em Porto Alegre.

Para ela, ao menos um dia deve ser dedicado ao centro.  O bairro Moinhos de Vento também merece atenção. “Todo mundo vai ao PArcão tomar chimarrão, curtir o movimento, relaxar.”

Na hora em que a fome bater, ela recomenda o Chicafundó (chicafundo.com.br). “Um restaurante fofo, pequenino, bem decorado”.  Faça reserva.

Aos domingos, vale alugar bicicleta no sistema de compartilhamento (movesamba.com/bikepoa) para passear pela região do Parque Farroupilha.  Para tomar uma cervejinha, o endereço é o Bar Ocidente (barocidente.com.br).

Notícias relacionadas