Prefira os hotéis no centro antigo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Prefira os hotéis no centro antigo

Fabio Vendrame

21 Janeiro 2014 | 04h30

CARTAGENA

Depois de “é mesmo incrível?”, a pergunta que mais se escuta ao voltar de Cartagena é: “qual o melhor lugar pra ficar?”. Depende de seu perfil e bolso, porém os hotéis dentro da cidade antiga dispõem de mais opções de restaurantes e bares e, por estarem mais perto da história, um charme natural que os grandes hotéis da orla não têm.

Numa casa colonial, Anandá tem clima intimista – Foto: Felipe Mortara/Estadão

Muitos centenários sobrados com terraços de madeira viraram elegantes hotéis-butique, como o Casa del Arzobispado (casadelarzobispado.com), do fim do século 17, com diárias a partir de US$ 257. Já o Anandá tem clima intimista e vista privilegiada (desde US$ 270, em anandacartagena.com). Alternativa econômica sem sair de dentro da muralha, com ótimo custo-benefício especialmente para mochileiros, o hostel El Viajero (hostelcartagena.com) tem diárias desde US$ 19.


Para conhecer o lado mais moderno da cidade e, de quebra, ficar de frente para a praia, a opção é o bairro de Boca Chica. Ali estão hotéis de redes como Hilton (hilton.com; a partir de US$ 148) e o tradicional e mítico Hotel Caribe (hotelcaribe.com; desde US$ 155), primeira hospedagem de luxo construída em Cartagena, em 1941. A piscina é uma delícia e, caso queira aprender a mergulhar, instrutores ministram cursos certificados pela Padi (a partir de US$ 340; buzosdebaru.com).

Estômago cheio. A fome não tem vez em Cartagena. Em qualquer esquina, palenqueras enfeitadas com seus vestidos coloridos oferecem frutas frescas picadas sobre tabuleiros. As arepas, espécie de bolinho feito com massa de milho recheado e frito na hora, são um clássico das ruas – prove nos quiosques próximos à Porta do Relógio.

Ceviche de camarões do La Perla – Foto: Felipe Mortara/Estadão

O calor úmido é intenso o ano todo, portanto comidas leves são quase um mantra. O ceviche de camarões, polvo e lula com milho e patacón (banana verde) frito (US$ 15) do moderninho La Perla (facebook.com/LaPerlaCartagena) parece coisa de realismo mágico. Não se confunda, como eu, e vá também ao vizinho Peru Fusión (restauranteperufusion.com), que mistura América do Sul e Ásia no menu, e está longe de ser uma roubada, como provam o sushi rock and roll (US$ 27), feito com camarões empanados, queijo e abacate, e o arroz norteño (US$ 12) verde, cozido com coentro e salpicado de frutos do mar. / F.M.