Seja o Chris Pratt nas suas viagens
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Seja o Chris Pratt nas suas viagens

Adriana Moreira

06 Abril 2018 | 23h04

Chris Pratt come pastel de feira – com direito a vinagrete. Foto Marvel

 

No Brasil para divulgar o filme Vingadores: Guerra Infinita, o ator norte-americano Chris Pratt aproveitou São Paulo curtindo os programas turísticos de praxe: tirou fotos no Beco do Batman, na Vila Madalena e se jogou nos pratos típicos como se não houvesse amanhã. Feijoada, caipirinha, pastel com vinagrete, acompanhado por caldo de cana fizeram parte do menu do intérprete de Peter Quill na cidade. Além de esbanjar simpatia, ele deixou algumas lições para os viajantes em suas próximas aventuras:

1. Comidas fazem parte da cultura local – e são uma ótima parte da viagem


Da gastronomia de rua aos restaurantes inventivos, provar o cardápio local (e suas variáveis) é uma maneira deliciosa de ser apresentado a uma cultura. Temperos e ingredientes contam uma história sobre aquele lugar e traduzem o modo de vida dos seus habitantes. Isso não significa que você precisa gostar de tudo, mas, como as avós costumam dizer, como você vai saber se gosta ou não se se não provar?

2. Respeite os costumes locais

Este tópico é uma extensão do primeiro. Quem não se lembra do episódio em que Jamie Oliver falou mal do nosso querido brigadeiro e despertou a ira dos internautas? Pratos típicos também são patrimônios culturais (caso do acarajé baiano, por exemplo, oficialmente tombado como patrimônio). Mais uma vez, ninguém é obrigado a gostar, mas não custa nada ser respeitoso.

O mesmo vale para danças, costumes, crendices. Ouvir os moradores e entender as origens de seus rituais é uma experiência gratificante. Nem sempre o ato de fotografar será bem visto. Tenha sensibilidade, observe o movimento ao reder e, se for o caso, dispense o clique e tente guardar a cena na memória.

3. Curta o máximo possível, mesmo a trabalho

Chris Pratt no monumento às bandeiras. Foto Reprodução Instagram @prattprattpratt

Chris Pratt veio ao Brasil a trabalho e certamente teve uma agenda. Ainda assim, ele aproveitou os momentos de lazer da melhor maneira possível. Foi a uma feira perto de onde ele estava hospedado, na região dos Jardins, comeu a feijoada no próprio hotel, lutou  e ainda conseguiu passear um pouquinho – tirou até foto no Deixa Que eu Empurro (oficialmente conhecido como Monumento às Bandeiras), no Ibirapuera. Ou seja, viajar a trabalho não é desculpa para não aproveitar ao menos um pouquinho das atrações do lugar – nem que seja jantar fora do hotel à noite ou passear nos arredores do hotel pela manhã, antes das reuniões.

4. Simpatia é quase amor

Turistas têm o hábito de acharem que estão se misturando aos locais, mas isso raramente acontece. Tudo bem: dependendo do destino, você pode despertar a atenção e a curiosidade dos locais. Quando estive na Índia, por exemplo, meu cabelo loiro e pele clara chamou a atenção de indianos que visitavam o Taj Mahal – via alguns deles tentando roubar fotos minhas, como costumamos fazer por aí. Sorri, e os convidei para tirarmos uma foto juntos, só na base dos gestos.

Difícil Chris Pratt, uma estrela de Hollywood, não chamar atenção em suas saídas. Mas a simpatia e os sorrisos foram uma constante – deu até para sentir uma brasilidade no moço. Até no trânsito pesado na saída de Guarulhos, depois de um voo exaustivo, ele não perdeu o bom humor.

5. Amigos locais sempre têm os melhores programas

Nunca perca a oportunidade de visitar um amigo que está morando fora – mesmo que “fora” seja outra cidade no Brasil. Ele vai te levar para os melhores programas, vai apresentar os amigos dele e você terá uma experiência genuína no local. Hoje, para quem não tem um amigão desses, há várias empresas que “emprestam” um amigo em diversas cidades do mundo, caso da Rent a Local Friend e até do próprio AirBnb, que além de oferecer hospedagens em casas de moradores agora também conta com as chamadas “experiências”.

Chris Pratt, logicamente, teve ajuda da produção para levá-lo em pontos como o Beco do Batman ou mesmo na feira livre. Mas ele provou o brigadeiro da Palmirinha (como não amar uma dupla dessas?) e até lutou MMA com os irmãos Minotauro e Minotouro.

6. Vá de coração aberto

Não tem amigos no destino? Vai viajar sozinho? Vá de coração aberto: se permita conversar com estranhos, fazer novos amigos e pagar os micos que você não pagaria em sua cidade local (afinal, ninguém te conhece ali) em nome da diversão. Viajar é experimentar – e quanto mais você tiver aberto às experiências, mais enriquecedora será a viagem.