Uma internauta se orgulhou de não ter ajudado um gringo no Rio. Por que isso não é legal
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma internauta se orgulhou de não ter ajudado um gringo no Rio. Por que isso não é legal

Bruna Toni

12 Agosto 2016 | 13h16

Por Adriana Moreira

Ontem um novo meme surgiu, “Agora em Botafogo, baseado” neste post do Facebook:

Reprodução

Reprodução

Ela se vangloria de deixar um gringo sem informação, já que, na opinião da moça, ele teria a obrigação de saber português por está no Brasil. Teve quem deu risada, quem condenou e, logicamente, quem criasse memes. A gente achou melhor explicar por que isso não é legal.


Coloque-se no lugar do outro

Vamos virar a história. Supondo que você está em um país em que não domina nada do idioma –  ou que domina muito pouco. Pode escolher: Japão, França ou até o próprio Estados Unidos. Você então encontra um local, pede uma explicação e ouve essa explicação da pessoa. Nenhum pouco legal.

Falo inglês, mas já fui ridicularizada fora do Brasil por uma pronúncia estranha. Já precisei de ajuda na França, onde não domino o idioma. E até mesmo em Pernambuco, certa vez, uma expressão idiomática causou ruído na  comunicação do meu grupo de paulistanos com um taxista local (todos rimos da confusão depois, incluindo o taxista).

A premissa para ajudar um gringo deveria ser: coloque-se no  lugar dele. Mesmo na era digital, contar com a ajuda dos outros é importante em diversas ocasiões.

Perder o amigo ou a piada?

Em vez da grosseria, ela poderia ter acompanhado o gringo, conversado com ele e, quem sabe, teria feito um novo amigo. Isso, aliás, é uma das delícias de viajar: conhecer outras pessoas, outros costumes, outros lugares. Vale pra gente quando estamos fora do Brasil, e também quando encontramos alguém de fora aqui.

Além disso, ninguém vai aprender português só para ir para as Olimpíadas, assim como você não vai aprender alemão para fazer uma conexão em Frankfurt. Falar algumas palavras no idioma local, no entanto – por favor, obrigado, olá – é simpático e abre portas.

Pense também na imagem de seu país e de sua cidade lá fora. A indústria do turismo é rentável, gera empregos e contribui com a economia. Convenhamos que o noticiário não tem ajudado muito nossa imagem lá fora,  mas o brasileiro ainda tem a simpatia, a música, as praias, a alegria. Ou não tem?

Curta no página no Facebook!

Mais conteúdo sobre:

Brasilrio 2016rio de janeiro