Uruguai: Da vanguarda ao ar puro, relíquias e achados literais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uruguai: Da vanguarda ao ar puro, relíquias e achados literais

Fabio Vendrame

06 Maio 2014 | 03h40

Parque Rodó – Fotos: Roberta Della Noce


MONTEVIDÉU

Cercada pelo Rio da Prata, Montevidéu é romântica, tranquila para ser descoberta a pé ou de bicicleta. Não recomendo táxi: na capital do Uruguai esse meio de transporte não é barato como em Buenos Aires e, apesar de não haver metrô, o transporte coletivo atende muito bem aos turistas. Para você usar seu dinheirinho com sabedoria, um guia de programas para gastar pouco (ou nada) na capital.

Área externa do Museo de Bellas Artes Juan Manuel Blanes

Museus
Os museus da capital são ótimos. E o melhor: quase todos são gratuitos. Incluindo alguns exclusivos com obras de importantes artistas uruguaios, como o Torres García, o Figari e o de Bellas Artes Juan Manuel Blanes. Inclua em sua programação também os mais tradicionais, como o da Historia da Arte (Avenida 18 de Julio, 1.360) e o Nacional de Artes Visuais, vizinho do Parque Rodó e às margens da Playa Ramirez.

Parque
O Rodó, com uma área de 85 hectares, é o principal – seu nome é uma homenagem ao escritor José Enrique Rodó. Em meio à imensa área verde, espalham-se monumentos, estátuas e fontes. Nos arredores do parque, há mais atrativos: parque de diversões, campos de futebol e golfe, bares, restaurantes e o Casino Municipal, atrás do edifício-sede do Mercosul.

Feiras
Nos fins de semana, são ótimas para garimpar. Vá cedo: elas terminam por volta das 15 horas. No Parque Rodó, a feira de artesanato ocorre aos domingos – ótima para descolar bolsas e sapatos de couro a bons preços. O Parque da Villa Biarritz também tem a sua, com proposta similar, aos sábados. Também aos sábados é o Mercado de Pulgas da Plaza da Matriz.

Feira Tristán Narvaja, em Cordón

A mais tradicional, contudo, é a Tristán Narvaja, em Córdon, que se estende por vários quarteirões aos domingos. Vende-se de tudo: frutas, verduras, temperos, mate, flores, plantas, CDs, LPs, livros, bugigangas eletrônicas, queijos, artigos de couro, doces e até animais. Comprei ali um livro de García Lorca da década de 1950 com capa dura e perfeitamente conservado por 150 pesos (R$ 16 reais). Vá mesmo que não compre nada: trata-se do mais completo retrato da cultura uruguaia.

Livraria na peatonal Sarandí, na Cidade Velha

Livrarias e sebos
Montevidéu é um paraíso para amantes da literatura. Os sebos da Rua Tristán Narvaja são ótimos e há livrarias imponentes em prédios centenários, que por si só já valem o passeio – caso da Linardi y Risso, especializada em literatura latino-americana. Na peatonal Sarandí, a principal rua da Cidade Velha, a Más Puro Verso Libreria-Brasserie está em um prédio em art nouveau tombado. Vá até a cafeteria no andar de cima – o mousse de maracujá é sensacional e, dali, há uma bela vista do centro. / R.D.N.