Em Medellín, a overdose das esculturas de Botero

Em Medellín, a overdose das esculturas de Botero

Heitor e Sílvia Reali

09 Dezembro 2016 | 15h38

As imagens de Medellín, que visitei pouco tempo atrás, voltaram em peso na lembrança com a sobrecarga das notícias do acidente com o time de Chapecó. Toda mídia deu amplo destaque também, ao enorme carinho e solidariedade dos medellinenses frente ao acontecido.

Botero

 

Antes de viajar para Medellín, eu tinha uma ideia consolidada dessa cidade: era a mais violenta do mundo até 2003, pelo poder dos narcotraficantes, guerrilheiros e delinquentes.


Porém, minha viagem foi motivada pelo desejo de ver o seu oposto: a obra do artista Fernando Botero com suas pacíficas figuras, embora de proporções assombrosas.
Botero

 

Lá fiquei sabendo que o pintor e escultor nascido em Medellín (corrigiram minha pronúncia para Mededjín), iniciou sua carreira como ilustrador. Depois viajou para Florença pois curtia muito a arte renascentista. Neste período, como se sabe, o ideal de beleza eram mulheres e homens rotundos e pesados, cavalos musculosos, e uma profusão de detalhes como flores, animais e frutas.

Botero, na minha opinião, juntou o estilo renascentista com a pintura Naif e criou um estilo único e inconfundível denominado ‘boterismo’.

 

Botero

 

Nas telas o espaço é empanturrado. E, sempre o descomedido, sejam homens, mulheres, animais domésticos, cavalos, ou mesmo os objetos das naturezas mortas. Numa destas, vi um bule estufado com bico miúdo, assim como são as feições das suas figuras. Elas têm um cotózinho de narizes e bocas, quase sempre fechadas. Outra pegada são as coxas, pernas e ventres superabundantes, pés abonecados, e seios pequenos.
Mas, as figuras estão representadas sem paixão, o olhar longe dali.

 

Praça Botero

Praça Botero

 

O artista presenteou a amada Medellín com 23 esculturas. Para acomodar os gigantes em bronze, só mesmo a espaçosa praça do Centro Histórico. Rebatizada de Praça Botero e frequentada por viajantes do mundo todo, é comum ver turistas gorduchos que tiram fotos e selfies imitando a pose das estátuas.

Medellín
A cidade não é mais uma droga. A partir de 2003, graças ao investimento excessivo na educação, foi eleita em 2012 “A mais inovadora do mundo”.

Botero

Agora, quando você viajar para lá, considere chegar na praça Botero ao entardecer, quando o sol cor de cobre pincela as esculturas. Depois saia para a noite quente de Medellín acreditando, como dizem os ‘paisás’( a maneira como carinhosamente são chamados os medellinenses), que o perigo é você não querer voltar pra casa.

Medellín
Onde:

Praça Botero, calle 52, Centro Histórico de Medellín

Quem leva: Copa Airlines, www.copaair.com
Acompanhe os autores também no Viramundo e Mundovirado, no facebook viramundoemundovirado e instagram @viramundoemundovirado

Mais conteúdo sobre:

AméricasColômbiaAméricasColômbia