Se você tivesse uma máquina do tempo em que época voltaria?

Se você tivesse uma máquina do tempo em que época voltaria?

Heitor e Sílvia Reali

27 Abril 2017 | 19h15

Museu Tinguely

Quando crescer quero ser como o escultor Jean Tinguely. Foi isso que senti quando deixei o museu em sua homenagem na cidade suíça de Basileia. O tempo passa, mas ainda dá tempo. Enquanto não consigo essa mudança radical, toda vez que retorno aquele país dou uma passadinha nesse museu. E por quê?

Museu Tinguely

Fotos Viramundo e Mundovirado

Porque ali consigo materializar as palavras do poeta Von Schiller (1759-1805): “o homem só é inteiramente humano quando brinca”. Impossível não entrar na brincadeira de suas obras ‘malucas’ e sem nexo. Foi nesse museu também que entendi o verdadeiro significado da palavra aventura que tanto procuro em minha vida. Aventura não é apenas aquela viagem que se vale do susto e de dores nas pernas, e sim a que provoca nossa imaginação e fantasia.
Não dá para sair desse museu sem ter sido recarregado por gigatons de alegria. Algo que só senti outras vezes em Galápagos e Madagáscar, mas por motivos bem diferentes.

Museu Tinguely


Mas, caramba! O que tem lá?  É aí que vem o mistério da transformação do adulto em criança: lá você só vai encontrar geringonças e quimeras unidas com o talento de Jean Tinguely (1925-91).
O museu, projetado pelo famoso arquiteto Mario Botta, abriga as principais esculturas de vanguarda deste cultuado artista, expoente da arte cinética e do movimento nouveau réalisme que nos remetem a um mundo lúdico de sombras, sons, surpresas, sustos e risos.

De grandes dimensões, esses bricabraques de estruturas de ferro, incorporaram rodas, manivelas, correias, polias, espelhos e outras engenhocas que se movimentam.  Em muitas das instalações de Tinguely, pode-se circular em seu interior, e ter a imaginação levada a um mundo feérico, provocada por curiosas formas, aleatórias luzes, cores, ruídos surdos e ásperos zumbidos. As esculturas ganharam nomes como: Balé dos Espantalhos, Meta-Matic e Maxi Utopia. Nelas vivem-se emoções inauditas.

Museu Tinguely

O melhor seria não dizer mais nada e deixar o visitante livre para decifrar os enigmas de cada uma de suas instalações. O que conta ali é o olhar e aonde a fantasia te leva.
Mas não poderia agora deixar de falar da companheira de Tinguely, a não menos famosa artista Niki de Saint Phalle (1930-2002). Primeiro porque a bela Niki, que foi top model na juventude, com uma obra lúdica e instintiva que dialoga com Gaudi e Miró, também propôs reflexão sobre o papel da mulher na sociedade contemporânea. Depois, porque juntos criaram obras de grande beleza cênica e … lúdicas – as famosas fontes – em especial a Fonte Stravinsky, em Paris, que desperta encantamento.

Fonte Stravinsky

As obras de Niki têm colorido vivo, rico grafismo, e uma pegada leve com traços de infância. Já as de Tinguely unem objetos heteróclitos. Estas esculturas metálicas abstratas de Tinguely, no espelho d’água da fonte se movimentam e sustentam as figuras de Niki: pássaro, sereia, coração, serpente, chapéu, rouxinol, elefante, caveira e clave de sol. As cores parecem seguir o secreto movimento das grandes armações de ferro, e o alarido provocado pelos golpes secos, ruídos surdos, zumbidos e esguichos aleatórios, completa o ar festivo da fonte.

Museu Tinguely

O que você faria se tivesse uma máquina do tempo? Voltaria para encontrar com Adão e Eva ou para a Roma antiga? Ou ainda ao tempo de criança? Para este tempo não é preciso nenhuma parafernália, somente um ticket do Museu Tinguely.

Para saber mais: www.tinguely.ch

Museu Tinguely

Acompanhe os autores também no Viramundo e Mundovirado, no facebook viramundoemundovirado e instagram @viramundoemundovirado

Mais conteúdo sobre:

EuropaSuíça