Explorando o Museu Atlântico na Espanha
As informações e opinões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Explorando o Museu Atlântico na Espanha

Karina Oliani

02 Junho 2017 | 13h18

Filho de inglês com guianesa, Jason DeCaires Taylor cresceu na Europa e Ásia, onde passou parte de sua infância explorando os recifes de corais da Malásia, por isso o seu fascínio pelo mar. Em 1998, se formou no Instituto de Artes de Londres e hoje é escultor, ambientalista e fotógrafo subaquático profissional.

Sua primeira exposição de esculturas no fundo do mar foi em 2006, na costa de Granada. O manifesto artístico foi listado pela National Geographic como uma das 25 Maravilhas do Mundo. No ano de 2009, Taylor fundou o Museo Subaquático de Arte em Cancun no México. O famoso MUSA possui uma coleção submersa de 500 peças, que inclusive já foram pauta de um dos episódios que apresentei na série Águas Selvagens para o Canal Off.

E se eu já havia ficado encantada com todas aquelas obras em 2015, imaginem minha expectativa para mergulhar em seu mais recente museu, inaugurado no início deste ano em Lanzarote nas Ilhas Canárias pertencentes à Espanha.

O Museu Atlântico é o primeiro museu de arte contemporânea subaquática da Europa e do Oceano Atlântico. São mais de 300 esculturas espalhadas por uma área de 2.500 metros quadrados que levaram cerca de três anos para serem instaladas. Esta é a primeira vez que Taylor instalou trabalhos de arquitetura em larga escala.

Como qualquer outro substrato duro no fundo do oceano, as 12 instalações no Museu Atlântico tendem a ser povoadas por vida marinha até se transformarem em recifes de corais. E é precisamente essa interação entre o universo dos sentimentos humanos e a vida marinha que o artista busca. As obras conversam sobre a existência do ser humano no mundo, sobre a nossa relação com a natureza e sobre o poder do mar e sua capacidade de regeneração.

Os primeiros trabalhos instalados em fevereiro de 2016 já viram um aumento de mais de 200% na biomassa marinha e agora são frequentados por cardumes de diversos peixes, tubarões anjo, sardinhas, polvos e esponjas marinhas.

Em uma entrevista exclusiva para o Fantástico, o escultor Jason DeCaires me contou o que representa cada obra exposta:

Balsa de Lampedusa

Obra inaugural do Museu Atlântico essa peça submersa é a representação da crise de refugiados vivenciada no mundo todo, um memorial das vidas perdidas durante as perigosas travessias pelo mar.

“Quero que seja um lembrete da responsabilidade coletiva que temos sob a nossa comunidade global”, contou Jason.

São 13 estátuas amontoadas em um pequeno bote a deriva no Mediterrâneo. De costas para os refugiados vemos um casal de estátuas fazendo selfies, representando a postura atual da humanidade em relação aos mais diversos problemas de hoje em dia.

Atravessando o Rubicon

A maior obra se chama “Atravessando o Rubicon”, expressão criada no Império Romano, que significa “tomar uma decisão arriscada e sem volta”. Na obra, um grupo de 43 estátuas aparece seguindo em direção à entrada de um portão de 30 metros de extensão.

“A ideia não era criar um portal para outro mundo. Eu queria inspirar as pessoas a compreender melhor os oceanos e as ameaças a eles”, disse o escultor.

Portal

Outra escultura, chamada “Portal”, mostra uma figura híbrida de humano e animal olhando para uma larga mesa quadrada de espelho que reflete os movimentos da superfície do mar.

Human Gyre

A mais fascinante e incrível obra deste museu. São 200 esculturas em forma humana empilhadas em um grande círculo. Para nos lembrar que vivemos em um ambiente de constantes trocas com o mundo ao nosso redor.

Os moldes das esculturas são pessoas de verdade, feitas com um cimento especial para não causar nenhum impacto ao meio ambiente e incorporar as obras de forma natural à flora e fauna marinha.

O Museu Atlântico pode ser visitado por meio de companhias certificadas de mergulho. E a melhor parte quando for conhecê-lo: 2% do total arrecadado é destinado à pesquisas de proteção das espécies marinhas da Ilha de Lanzarote.

Para se encantar ainda mais, acesse AQUI para assistir o meu mergulho na íntegra com vestidos de gala neste incrível museu para o Fantástico – O show da vida.

 

FOTOS:

Alexandre Socci

 

AGRADECIMENTOS:

– Arthur Caliman (http://arthurcaliman.com.br/)

– Turismo da Espanha (http://www.spain.info/)

– Hotel Princesa Yaiza (http://www.princesayaiza.com/)

– Aquatica Seaworker (http://www.seaworker.com.br/)

– Seasub Equipamentos Esportivos (http://www.seasub.com.br/)

– Canon BR (http://www.canon.com.br/)

0 Comentários