Uma breve viagem pelos trilhos canadenses
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Uma breve viagem pelos trilhos canadenses

Karina Oliani

03 Novembro 2017 | 10h00

Na semana passada contei pra vocês sobre a pitoresca cidade de Halifax, uma cidade portuária com saída para o Oceano Atlântico, e que tem sua história e vida ligadas ao mar.

Relembre “Soldado por um dia em Halifax.”

Também relatei que um de seus principais museus conta a relação da Nova Scotia com o oceano, onde é possível encontrar réplicas de barcos e exposições de objetos como os do Titanic, por exemplo. E mais ainda: Como, naquela época, a preocupação de ataques pelo mar era tão grande na cidade que acabou originando Citadel, a maior fortaleza do Canadá.


Por isso, prepare-se para comer deliciosas lagostas, feitas de diferentes formas e a preços acessíveis; já que são das águas do Atlântico que esses animais são extraídos e um dos principais produtos consumidos e comercializados na cidade.

Mas estava na hora cair na estrada, ou melhor, nos trilhos e embarcar em uma breve viagem de trem pela costa leste canadense.

Além das inúmeras belezas naturais, da cordialidade e receptividade de seu povo e da segurança extrema, o Canadá também oferece diferentes rotas de trem, o que torna esse destino ainda mais interessante!

“A more human way to travel” ou “Um jeito mais humano de viajar”. Esse é o lema de uma das principais companhias que opera os trens no país, a Via Rail. São diversos os trechos disponíveis onde os valores variam de acordo com a rota, período do ano e classe escolhidos. Dessa vez, optamos pelo “The Ocean” (esse nome já me atraiu!).

O trem, cujo ponto de partida ou chegada pode ser Halifax ou Montréal, faz paradas em Truro, Amherst, Moncton, Miramichi, Bathurst, Campbellton, Carleton, Matapédia, Mont-Joli, Rimouski, Rivière-du-Loup e Charny. São ao todo 21 horas e 55 minutos de viagem com paradas de até 15 minutos em cada cidade.

Nesse trecho, você pode reservar uma cabine com cama e banheiro privativo, que são chamados de sleepers cars. Todo espaço desse tipo de cabine é otimizado: as poltronas se transformam em camas, por exemplo. Por isso, não há espaço para malas grandes, se programe!

As três principais refeições do dia (café da manhã, almoço e jantar) estão disponíveis para o viajante. No café: ovos, bacons, torradas, salsichas. Já no almoço, são servidos pratos mais leves como caldos, lanches ou massas. No jantar, receitas mais elaboradas com direito a entrada, prato principal e sobremesa. Se ainda assim, você sentir fome durante a viagem, no trem são vendidos snacks e todo tipo de bebida (até mesmo alcoólicas).

Apesar do lounge ser o único lugar que oferece Wi-Fi gratuito, este é considerado o espaço de socialização do trem. Porque a ideia aqui é justamente se desconectar do mundo, conhecer novas pessoas, admirar paisagens, ler um bom livro e por aí vai… Por isso, deixei o celular de lado e aproveitei a vista!

Como viajamos no outono, pudemos admirar um espetáculo da natureza que somente o Canadá pode oferecer durante essa estação: florestas de folhas verdes, amarelas, laranjas e vermelhas e ainda rios e lagos de água esverdeada. A vontade de querer fotografar tudo e a todo o momento é enorme. Acredite!

O vagão panorâmico é sem dúvidas a atração do The Ocean. Nele, é possível ter uma visão privilegiada do trem, dos lagos, árvores que vão passando pelo caminho. Ficamos horas ali, apenas contemplando a natureza e nos dando conta que a vida vai passando… “Como se embarcássemos num trem que nunca nos levará de volta ao ponto de partida, porque tudo o que vivemos e aprendemos no percurso nos fazem pessoas diferentes”…  A inspiração de olhar a paisagem correndo lá fora traz à maioria das pessoas uma intensa e gostosa reflexão sobre a vida.

Viajar de trem é realmente um modo mais intenso de conhecer uma cultura, um povo, vários destinos. A sensação de liberdade por circular nos vagões, a interação concedida entre os passageiros, a oportunidade de admirar paisagens cênicas ao longo do percurso, sem pressa e em um ritmo suave são fatores que fizeram esta breve viagem absolutamente inesquecível!

 

FOTOS: Marcelo Rabelo

AGRADECIMENTOS:

Go Media 2017

Vertebratta 

Explore Canada

Visit Nova Scotia