Se fué `el flaco´ iluminado

Se fué `el flaco´ iluminado

No mesmo dia do cantor Wando, outra voz popular partiu: Luis Alberto Spinetta, ícone latinoamericano por suas letras e referência do rock argentino.

Paulina Chamorro

09 Fevereiro 2012 | 12h17

 

Luis Alberto Spinetta, compositor, guitarrista, cantor e um dos músicos mais influentes do rock argentino, faleceu em Buenos Aires, nesta quarta, dia 8, mesmo dia do cantor brasileiro Wando.

Decorrente de um câncer de pulmão, El Flaco, “o magro”, como também era carinhosamente conhecido, partiu deixando um buraco na America do Sul, apasionada por buenas letras y musica.

Alguém tuitou ontem: o rock argentino perdeu beleza e profundidade.


E é verdade. Ao lado de Charly Gracia, Spinetta era inspiração e referencia desde o final dos anos 60, quando começou a produzir e criar bandas incessantemente.  (Charly também não  escapou. Gravaram disco juntos  também). Só na ordem cronológica de formação temos os grupos Almendra, Pescado Rabioso, Invisible, Spinetta Jade…

 

Spinetta e Charly Garcia em foto de 2009

De 1969 até 2010 foram cerca de 40 discos lançados, que definiram o tom  do rock argentino.Generoso, El Flaco estava sempre antenado. Gravou com músicos mais jovens e acompanhou várias regravações de suas potentes composições.

Assim como a morte de Wando provocou reações  nas redes sociais, pela America do  Sur  foram inúmeras também ao sair a noticias da morte de Luis Alberto  Spinetta:

O compositor uruguaio Jorge  Drexler : “Hoy quedamos un poco más solos, nuestro admirado maestro Spinetta fue a mojarse los pies a la luna.Gracias Flaco por tantas y tantas cosas.”

O ator mexicano Gael García Bernal : “Me voy a dormir en Madrid con el corazón al arrullo del polen resplandeciente de los acordes de Spinetta. Gracias Flaco!”

O  músico brasileiro  Ed Motta, que até  deu uma entrevista à Radio  Nacional de Argentina,  acordou no  seu twitte nesta quinta com o lamento: “Não tenho vontade de fazer nada… A morte do Spinetta me deixou em tristeza profunda, a identificação com ele é grande mesmo. Depressão…”

 E a organização  do  Grammy Latino, que acontece por sinal neste domingo, dia 12 de fevereiro, também registrou: “Lamentamos mucho la partida de Luis Alberto Spinetta un gran ICONO del Rock en Español. Lo oiremos siempre en nuestros corazones!!”

Separei  do disco  “El Jardin de los presentes”, do tempo  da banda Invisible,  1976, a música ‘Los Libros de la buena memória’. Aqui numa apresentação para a TV, quando já era Spinetta Jade com outro ícone argentino, Pedro Aznar.

Era o no un gran poeta?

El vino entibia sueños al jadear
Desde su boca de verdeado dulzor
Y entre los libros de la buena memoria
Se queda oyendo como un ciego frente al mar. 

Mi voz le llegará
Mi boca también
Tal vez le confiare
Que eras el vestigio del futuro. 

Rojas y verdes luces del amor
Prestidigitan bajo un halo de rush
Que sombra extraña te oculto de mi guiño
Que nunca oiste la hojarasca crepitar?

Pues yo te escribiré
Yo te hare llorar
Mi boca besará
Toda la ternura de tu acuario. 

 

Que frases de composições te marcaram de Spinetta?