Viva la Negra!

Viva la Negra!

Há tres anos falecia a voz da América do Sul

Paulina Chamorro

04 Outubro 2012 | 11h29

Mercedes_Sosa.jpg

Texto publicado originalmente no blog da Eldorado FM, no dia da morte de Mercedes Sosa, 4 de outubro  de 2009. Son tres años sin la Negra

O coraçao ‘sudamericano’ não parou
04.10.09
Paulina Chamorro 

, Seção: Geral 13:16:04.

Há tempos não postava por aqui.
Infelizmente o faço num dos dias mais tristes para a América do Sul. Ou melhor, para os “sudamericanos”.
Não posso me calar frente ao quadro de perder LA NEGRA. Uma espécie de Pacha mama (mãe terra) da canción popular latina.
Mercedes Sosa não nos deixará, pois continuará sendo representada por todas as vozes, zambas criollas, homenagens de novos artistas e todos que mantém seu coração e pés fincados neste canto do globo terrestre. Aqui embaixo.
Minha história se preenche na voz dela.
Sou chilena, ouvi o primeiro show de Mercedes Sosa ainda no ventre de minha mãe. De lá pra cá, em mais de 30 anos, absolutamente todas as músicas interpretadas por ela fazem parte da trilha sonora da minha vida e da minha família errante espalhada pela América do Sul, apaixonada e orgulhosa pelo fato de ser latina.
Peço esta licença a vocês, leitores, para exaltar o sentimento de muitos latinoamericanos que, exilados pela ditadura ou por escolha própria, saciavam a dor e a saudade da sua terra ouvindo a MECHE.
Quando estive na Bolívia, quando vim para o Brasil, quando retornei ao Chile e quando finalmente fixei residência aqui, sua voz sempre me acompanhou.
Uma voz atemporal, porque o amor não conta espaço ou tempo.
Uma voz que quando dizia no meio da canção “Todo cambia: Fuera Pinochet!”, a platéia respondia em coro, aliviados e identificados com o apoio de ter nosso sentimento interpretado com perfeição por Mercedes Sosa.
Ela gostava de dizer que não era argentina, mas sim da América do Sul.
Foi e será. Com generosidade, sempre interpretou autores de todos os países sudamericanos.
Com essas linhas, deixo aqui meu amor imenso por ela. Triste, pois não terei a oportunidade de compartilhar o mesmo ambiente, me deleitando mais uma vez com a fantástica imponência de sua voz. Um típico sofrimento bem latino.
Mas com o coração preenchido de amor por sua voz e sua vida contada em musica.
Ya te extraño, Mercedes Sosa!


Aqui uma emocionante participação de 2008, no Chile. Reparem na emoção dela e das pessoas. Além da letra símbolo contra a ditadura, e na esperança dos exilados.