Felipe Mortara/AE
Felipe Mortara/AE

Acolhedora e movimentada, sem deixar de ser histórica

Lucca é o tipo de cidade fácil. De chegar - fica a apenas 10 quilômetros de Pisa. De gostar - impossível resistir à muralha medieval e ao jeitão de lugar histórico que não parou no tempo. E, principalmente, de "roubar" dias em seu roteiro. Afinal, ela mescla tudo o que a Toscana tem de melhor: arquitetura, história e comida.

LUCCA, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2012 | 03h13

Os quatro quilômetros da muralha, que a partir de 1650 passou a proteger a cidade, hoje são um disputado espaço de lazer. Famílias e turistas fazem piqueniques nos gramados ao redor do muro de 12 metros de altura, enquanto os mais atléticos a usam como pista de corrida e caminhada. Tudo à sombra de pinos e ciprestes, as árvores da região.

Com 50 mil habitantes, Lucca foi uma das poucas cidades toscanas a não ser bombardeada na 2.ª Guerra Mundial. Com bons trabalhos de restauro, preservou edifícios dos séculos 12 a 16 e é destino de estudantes de Arquitetura, que vão ver in loco obras-primas medievais e renascentistas.

Parada obrigatória, a aconchegante Piazza Anfiteatro - como o nome sugere, durante o domínio romano havia ali um anfiteatro - reúne lojinhas e cafés. Olhares atentos notarão os arcos em tijolos milenares das casas medievais que circundam a praça.

As belas torres de até 50 metros de altura - já foram 150, hoje são apenas 15 - eram símbolo de poder entre as famílias dos mercadores que enriqueceram. Uma das mais bonitas é a da famiglia Guinigi, de 1400, com árvores no alto de seus 44 metros e uma excelente vista da cidade.

Do século 11, a Cattedrale di San Martino impressiona pelas imensas colunas. Dentro, uma imagem de Cristo entalhada em tamanho natural é atribuída a Nicodemo, que assistiu à crucificação e motiva, em 13 de setembro, o Volto Santo, procissão iluminada por tochas.

Ópera. Filho pródigo de Lucca, o compositor de ópera Giacomo Puccini (1858 - 1924) está eternizado em bronze diante da casa onde nasceu, na Corte San Lorenzo, 9. Em frente fica o Café Paris Bohème (parisbohemelucca.com) - peça a degustazione di affettati misti toscani, com embutidos e queijos locais ( 15 ou R$ 39).

A 15 quilômetros dali, em Torre del Lago, onde o artista viveu, o Museo Villa Puccini (giacomopuccini.it) mantém a casa preservada como quando ele morreu. No verão, o Puccini Festival (puccinifestival.it) é uma ótima oportunidade para conferir suas óperas num palco a céu aberto sobre o lago Massaciuccoli. / F.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.