Agito sem axé ou trio elétrico

Nesta época do ano, todos correm para pular a fogueira no Recôncavo Baiano e até Salvador fica vazia

Fernando Cassaro, Especial para O Estado

14 Maio 2009 | 14h50

Praias mais vazias, nada de axé nas rádios e muito forró. Assim é o mês de junho na Bahia. Com temperaturas amenas - em torno dos 20 graus, o Estado volta todas as atenções para o interior e suas disputadas festas juninas. Todos os 417 municípios baianos organizam arraiais durante o mês inteiro, com destaque especial para as cidades do chamado Recôncavo Baiano, como Amargosa, Cruz das Almas e Senhor do Bonfim. Pacatas, elas ganham um novo brilho nessa época do ano.

 

No arraiá baiano, além de muito forró e dança de quadrilha, há a possibilidade de se deliciar com as guloseimas da terra. Dá-lhe canjica, bolo de fubá, de mandioca e de laranja. Além dos tradicionais amendoim torrado e milho cozido. Para beber, o quentão é a pedida certa em todo o Brasil. Mas aproveite a estada na Bahia para experimentar os licores com sabores bem locais. O de jenipapo é o mais tradicional. Tudo ao pé da fogueira e com muitas cores, tanto das roupas típicas quanto dos quilômetros de bandeirolas que enfeitam os céus de todas as festas.

 

Apesar de o mês estar recheado de atrações, os destaques são apresentados entre os dias 21 e, principalmente, 24 de junho, dia exato da comemoração de São João. É esse o período em que a maioria das cidades deixa um pouco de lado os artistas regionais para abrir espaço a bandas e cantores mais famosos, como Calypso, Elba Ramalho e Dominguinhos.

 

Veja também:

linkNinguém faz festa junina como eles

linkA dieta vai ter de ficar para julho

linkVárias culturas em um só lugar

linkPequena e inesquecível

linkMaceió sonha ser a capital junina

linkDia do santo é feriado em Aracaju

linkEstilos variados no encontro de quadrilhas

linkSossego e clima de interior a poucos quilômetros de Natal

linkA cidade que venceu Lampião

linkO grande clássico de junho

linkRetorno às raízes nordestinas é prioridade em Caruaru

linkQuentão, forró e alta tecnologia

linkGuerra de espadas nas ruas e arrasta-pé no palco principal

 

Apesar de São João ser o preferido para o grande dia da festa, os outros dois - Santo Antônio e São Pedro - também recebem atenção especial em algumas cidades.

 

O investimento para tanta festa custa cerca de R$ 10 milhões aos cofres públicos do Estado. Porém, o retorno é muito saudável para a economia local. Somando as expectativas de Amargosa, Cruz das Almas e Senhor do Bonfim, o faturamento das três cidades deve ficar em torno de R$ 20 milhões. Puxados principalmente pelo comércio de roupas, alimentos, bebidas e hospedagem.

 

E até o soteropolitano, que odeia perder festa, vai para o interior. Aproximadamente 500 mil pessoas deixam a cidade. "São João é maior e mais democrático que o carnaval. E como dura o mês inteiro, movimenta mais a economia", afirma o secretário estadual de Turismo, Domingos Leonelli.

 

Essa democracia mencionada pelo secretário se reflete na escolha das atrações, que atendem a todos os tipos de públicos. Em Amargosa, a banda de forró Calcinha Preta é destaque no dia 23 de junho, na Praça do Bosque. Aos que buscam algo mais voltado para MPB, Zé Ramalho, dia 20, estará em Senhor do Bonfim (Parque da Cidade). Em Cruz das Almas, o show que deve superlotar o Parque Sumaúma, dia 22, é o da Banda Calypso.

 

SIMPATIAS INFALÍVEIS

O gosto do povo baiano pelas mandingas já é conhecido por todos. E para mostrar que a fama é real, a Bahia tem um rol especial de simpatias para o período de festas juninas.

 

São inúmeras opções, direcionadas principalmente ao casamenteiro Santo Antônio. Assim, para quem está ansioso para saber o ano em que irá se casar, os baianos têm uma "receita infalível": em 12 de junho, passe um copo com água sobre uma fogueira. Em seguida, amarre uma aliança que pertença a uma mulher casada em um fio do seu cabelo - como vai conseguir isso, é outra questão. Pendure o fio sobre a borda do copo e reze uma "Ave Maria". A quantidade de vezes que o anel bater no copo durante a oração representa o número de anos que faltam para o casório.

 

Tem mais. Para saber a primeira letra do nome do marido, crave uma faca virgem em uma bananeira no dia 23 de junho. Volte para casa sem olhar para trás. Ao amanhecer, veja a letra inicial que aparece na lâmina. Se não aparecer nada, péssimo sinal.

 

Para manter a paixão acesa, também há simpatia. Após o banho, passe seu melhor perfume no corpo como se desenhasse uma cruz - do pescoço até o umbigo e abaixo do peito, da esquerda para a direita. Assim, o amor estará garantido. Pelo menos é o que diz o site oficial do São João da Bahia (www.saojoaobahia.com.br).

Mais conteúdo sobre:
Viagem São João Festa Junina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.