Walker Simon/ Reuters
Walker Simon/ Reuters

Ao som dos mariachis em San Miguel de Allende

Chamariz de turistas e moradores americanos, a cidade se difere do resto do país pela limpeza das ruas e a ausência de camelôs

Luciana Dyniewicz, San Miguel de Allende

27 Março 2018 | 04h55

O som vibrante de um violino rápido, acompanhado de uma corneta e de um violão, ecoa pelas ruas estreitas do centro histórico de San Miguel de Allende. É só seguir o barulho para encontrar a festa ambulante animada por mariachis vestidos com seus trajes típicos – chapéu de abas gigantes, calça e jaqueta justas, além de um lenço com laço no pescoço.

Um mexicano puxa pela corda um burro que usa óculos de arame, e outros dois sustentam bonecos gigantes como os do carnaval de Olinda. Há ainda os noivos e um garçom servindo tequila em copinhos de cerâmica pendurados nos pescoços dos convidados dessa festa de casamento a céu aberto.

Assim é uma tarde de sábado nessa cidade localizada a cerca de 300 quilômetros ao norte da Cidade do México. Se estiver por lá, inevitavelmente você vai se deparar com uma dessas tradicionais festas (as já citadas callejoneadas) e se dar conta de que San Miguel é o imaginário perfeito que se tem do México: casas coloridas, clima árido, música e pessoas calorosas.

A limpeza das ruas e a ausência de camelôs, no entanto, difere do resto do país, mais pobre do que San Miguel. Esse contraste se explica pelo fato de a cidade ser um chamariz de turistas e moradores americanos – há estimativas de que 12 mil estrangeiros vivam no município de 60 mil habitantes.

Cidade-ostentação. O elevado número de turistas faz com que a cidade não seja barata – uma viagem para o destino pode sair mais cara do que uma visita à badalada praia de Tulum, próxima a Cancún. Praticamente não há opções de acomodação econômica em San Miguel, mas é possível economizar na alimentação.

Voltando à festa de casamento: após encontrá-la, siga o cortejo, porque com certeza ele passará pelas principais vias do centro e, em algum momento, chegará à praça principal da cidade, o Jardín Allende. Ali, um pequeno coreto é rodeado por grandes árvores, cujas copas são impecavelmente podadas em formato circular. Diante da praça, a catedral se impõe de modo soberano. De tom rosado e projetada no fim do século 19, é a única grande construção no centro de San Miguel. Seu interior é sóbrio e não chega a se destacar entre as milhares de outras igrejas mexicanas, em grande parte tão imponentes como as italianas e espanholas.

Comida típica. Do lado oposto à catedral, o restaurante Los Milagros não decepciona. Tem mesinhas nas janelas abertas para a praça e oferece um prato criado em sua própria cozinha: o Molcajete Especial (335 pesos, cerca de R$ 60), que é servido em uma panela de pedra vulcânica (chamada molcajete) e leva a talvez estranha, mas saborosa mistura de camarão, carne de vaca e de frango, além de queijo, muita pimenta e nopal (tipo de cacto quase sem gosto, mas extremamente saudável). O Molcajete Especial serve de duas a três pessoas e vai bem acompanhado de uma tradicional Michelada (cerveja com suco de tomate, pimenta, limão e molho inglês). Acredite, os mexicanos bebem mais “michelada” do que tequila, mescal ou cerveja pura.

Leia mais: Os drinques típicos mundo afora

Deixando o Los Milagros e a praça principal, na Rua Relox fica a charmosa e chique Dôce-18, uma loja com livros, joias, objetos de decoração e bordados artesanais. Para compras mais simples, há ainda o Mercado de Artesanías, com lembrancinhas locais feitas à mão, além de frutas e verduras típicas. Ao lado do mercado, está a Plaza de la Soledad, mais aberta que a principal, com menos turistas e também rodeada por casas coloridas coloniais que carregam, sobre o teto, lindos vasos com plantas.

Desça pelas ruas Juárez e Recreo, caso queira conhecer a Plaza de Toros (as touradas são tão populares no México como na Espanha), e depois suba pela Huertas para, finalmente, chegar ao mirante da cidade. De lá, tem-se uma vista deslumbrante  das casas coloridas, iluminadas por uma luz perfeita para fotógrafos e pintores – San Miguel já foi centro de peregrinação de artistas por volta de 1940, após a fundação da Escola de Bellas Artes, onde o muralista David Siqueiros lecionou.

Espécies locais no suculento jardim

 A 1,5 quilômetro do centro de San Miguel de Allende, o jardim botânico Charco del Ingenio reúne uma variedade inimaginável de suculentas e cactos, com espécies típicas de todas as regiões do México. Há desde as mais tradicionais – verticais e altas – às mais diferentes, redondas e baixinhas. Algumas ainda carregam flores avermelhadas nas pontas. O jardim botânico fica à beira de um rio represado, de onde não se escuta barulho algum que não seja da natureza.

No local, há visitas guiadas às 10h nas terças e quintas-feiras. O passeio dura 2 horas. Para chegar lá, as melhores opções são a van gratuita do próprio jardim (horários em elcharco.org.mx) ou táxi – a corrida custa cerca de 70 pesos ou R$ 12. Para retornar, peça na lojinha para chamarem o táxi. O caminho a pé é quase todo subida; há opções melhores. 

Antes de chegar ao jardim, repare nas mansões de cor ocre e fachadas floridas, onde vivem os ricos estrangeiros da cidade.

Onde ficamos

Casaliza Hotel Boutique

O hotel Casaliza fica em frente ao local de fundação de San Miguel de Allende – o Chorro, uma nascente de água onde até hoje há espaço para os moradores lavarem suas roupas. A rua do hotel é uma espécie de escadaria que se mistura a uma pequena praça. Dentro desse pequeno e charmoso hotel, os quartos contornam um jardim com mesinhas, bancos e chafariz, num cenário bucólico e romântico – o quarto em que ficamos tinha uma sacada no melhor estilo Romeu e Julieta, com sua parede externa coberta por trepadeiras. Site: casaliza.mx; diárias a partir de 1.050 pesos (R$ 185). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.