Nathalia Molina
Nathalia Molina

As aulas de gastronomia do intercâmbio

Longe de ser um curso gourmet, aula de gastronomia proporciona vivência culinária e aprendizado de idiomas

Nathalia Molina, O Estado de S. Paulo

19 Dezembro 2017 | 04h20

A atmosfera retrô da The Lincoln Apartment Bakery, escola de culinária em Montreal, e a simpatia de Jessica McGovern me fizeram esquecer por alguns minutos que eu não entendia nada de fazer pães. “Não precisa ser perfeito, só tem de ser gostoso”, diz durante as aulas, tão descomplicadas que você se sente como se estivesse em casa. Terminei a primeira noite degustando focaccia e pão rústico. Na segunda aula, fiz éclaires e profiteroles.

Confeiteira e atriz, a irlandesa está à frente do programa Flour Power, exibido no Canadá na TV a cabo. Na tela e na sua escola, Jessica pretende mostrar como a cozinha pode ser encarada sem mistérios. Fiquei muito à vontade. Ri, tomei chá, comi coisas gostosas, pratiquei inglês e aprendi um pouquinho de francês (ela é bilíngue). É uma aula com as mãos na massa.

É exatamente esse o espírito das atividades realizadas na parte de gastronomia combinada ao intercâmbio de francês. Não há necessariamente um contorno gourmet, como se poderia supor. A intenção é que o aluno vivencie a culinária junto com o idioma estudado (a escola oferece essa combinação também para quem faz inglês). O estudante usa uma das duas línguas locais para se comunicar enquanto experimenta a mais notória vocação de Montreal: a boa mesa.

Visita gastronômica. A escola recomenda que o estudante faça ao menos um tour temático. Optei pela visita guiada a pé pela Vieux-Montréal, o bairro antigo de Montreal. Com partida em frente à Notre-Dame, linda basílica neogótica do início do século 19, o roteiro da Viator Food Tours para em cinco pontos para degustação.

A comilança começou num café português, com minipastéis de nata, e terminou cercada por xarope de bordo (sirop d’érable, em francês, ou maple, em inglês). Da Cantinho de Lisboa Épicerie até a Délices Érable & Cie, passamos no Marché La Villette (para canapés com patês de carne de porco e de boi), na Maison Christian Faure (para macarons) e no Brisket Montréal (para o típico sanduíche de carne defumada, fatiada à mão).

É importante que o aluno aponte suas áreas de interesse antes da viagem, ressalta Elisa Gazzola, diretora da escola de idioma. “Como as aulas de culinária têm espaço limitado e fazem parte da programação dos nossos parceiros, não podemos garantir que uma determinada escola terá vaga. Mas, se o estudante indicar suas preferências, podemos encontrar classes dentro daquele tema”, afirma.

Quando a Experimento Intercâmbio planejava minha viagem, me perguntaram se eu gostaria de fazer aulas de algum assunto. Escolhi patissêrie, por ter curiosidade e atração gustativa pela área. Na lista de parceiros da escola há várias empresas, entre eles a Confiserie CandyLabs, que fazia meus olhinhos brilharem quando criança com suas balas feitas à mão, com desenhos coloridos dentro. 

SAIBA MAIS

Aéreo: SP-Montreal-SP, com conexão em Toronto, custa a partir de US$ 500 na Air Canada

 

Pacotes: na Experimento Intercâmbio, o curso de francês de duas semanas custa R$ 3.444,94 – quatro saem a R$ 5.989,04. Na modalidade combinada com gastronomia, como o que fizemos, sai a R$ 5.080,54 para duas semanas e R$ 9.233,84 para quatro. Os preços incluem 20 aulas de francês por semana, acomodação em casa de família em quarto individual (com café da manhã e jantar), material e taxas.

Na STB, duas semanas a partir de 990 dólares canadenses (cerca de R$ 2.500), mais R$ 387 de taxa. Dá direito a homestay (sem refeições) e a 13 aulas por semana.  

O curso da Intercâmbio Global custa 1.030 dólares canadenses (cerca de R$ 2.700) por duas semanas, com acomodação em casa de família e dez aulas por semana.  

Na Yázigi Travel, o curso de duas semanas tem 20 aulas semanais e acomodação em casa de família (com café da manhã e jantar), a US$ 1.036,78, com material e taxas – valor promocional até 30 de dezembro.

Com taxa de matrícula, material e homestay em quarto individual, com café e jantar, paga-se 1.013 dólares canadenses (cerca de R$ 2.600) na CI.

Na Global Study, quatro semanas de curso com 17 aulas por semana de francês, custam R$ 6.366,60, com acomodação, matrícula e material. 

 

Sites: mtl.org (Montreal) e bit.ly/via-canada (Canadá). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.