Divulgação
Divulgação

As primeiras estrelas da hotelaria

Vinte estabelecimentos receberam, na semana passada, a nova classificação de acordo com as normas do Ministério do Turismo; 97 ainda estão na fila do credenciamento

RICARDO ZEEF BEREZIN , ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2012 | 03h10

O Ministério do Turismo entregou, na semana passada, as primeiras estrelas da nova classificação hoteleira nacional. Em evento em Brasília, os 20 estabelecimentos que já passaram pelo crivo dos inspetores receberam as placas indicativas. Outros 97 estão na fila do credenciamento.

A iniciativa é conhecida desde junho de 2011, quando o Sistema Brasileiro de Classificação de Meios de Hospedagem (SBClass) foi instituído. Só agora, porém, os resultados começam a aparecer. Os empreendimentos são agrupados de acordo com suas características e avaliados conforme os requisitos que cumprem. Uma pousada, por exemplo, não pode ter mais de 90 leitos e, para receber nota máxima, precisa de uma piscina. Por sua vez, para uma casa do tipo Cama & Café conseguir um conceito mínimo, deve trocar as roupas de banho a cada três dias e no café da manhã não pode faltar geleia.

A adesão ao sistema é voluntária, mas somente os estabelecimentos vistoriado pelo governo federal poderão se classificar com estrelas - antes, a incumbência pertencia à Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih). Segundo o Ministério do Turismo, o SBClass foi concebido a partir do estudo de modelos internacionais como os adotados na França, Espanha e Portugal. "Tentamos, porém, construir um sistema que respeitasse a diversidade regional e os variados tipos de hospedagem no País", afirma Ítalo Mendes, diretor do Departamento de Estruturação, Articulação e Ordenamento Turístico. "No futuro, pretendemos expandir o programa para hotéis de selva e albergues."

Os próprios estabelecimentos, em um cadastro, definirão em que tipificação se enquadram e quantas estrelas querem receber. Um agente do Inmetro vai ao local verificar se a solicitação corresponde à realidade. Em caso afirmativo, ele enviará o parecer ao ministério e este confirmará o credenciamento, válido por três anos. Se algum problema for encontrado, uma nova consulta será feita.

Apesar da proximidade da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada do Rio, em 2016 - e de o próprio titular da pasta, Gastão Vieira, tê-los mencionado quando falou do SBClass -, Mendes alega que o sistema nasceria independentemente dos megaeventos. "Claro que queremos estar prontos, mas a classificação de hotéis é uma exigência do mercado", diz. O presidente da Abih, Enrico Fermi, por outro lado, tem a Copa como referência: espera que em menos de dois anos a associação alcance 5 mil membros, e que todos estejam classificados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.