Viagem

Caminhos no Brasil para treinar antes de Compostela

Trilhas que existem por aqui ajudam a se preparar para o trajeto até Santiago

12/09/2015 | 14h30    

Felipe Mortara - O Estado de S. Paulo

Peregrino cruza o Caminho das Missões a caminho de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul

Peregrino cruza o Caminho das Missões a caminho de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul Foto: Claudio Reinke/ Divulgação

Antes de gastar o cajado até Santiago de Compostela, muita gente opta por sentir, ainda no Brasil, o astral peregrino. Nas regiões Sul e Sudeste há cinco opções de roteiros peregrinos bem demarcados e organizados. Boa prosa e hospitalidade dos moradores estão incluídas nos roteiros. Assim, o peregrino descobre delicias regionais como cachaça de fabricação artesanal, café torrado e moído na hora e saboreia um pedaço de aipim ou um frango caipira fresquíssimo. Não se tratam de rotas exclusivamente religiosas, mas de trajetos em que o importante é acreditar e persistir. Sempre seguindo as setas amarelas, sinalização universal das rotas a pé.

Caminho do Sol

Caminho do Sol, de Santana de Parnaíba a Águas de San Pedro

Caminho do Sol, de Santana de Parnaíba a Águas de San Pedro Foto: CLAUDIO MARGINI / ACERVO PESSOAL

Os municípios paulistas de Santana de Parnaíba a Águas de São Pedro estão conectados desde 2002 por um roteiro para pedestres com 241 quilômetros. Nos 11 dias de marcha pelo interior de São Paulo, os peregrinos atravessam inúmeras fazendas, canaviais e áreas particulares. Por isso, o idealizador, José Palma, teve um delicado trabalho para fazer acordos e parcerias para que os peregrinos não encontrassem dificuldades (além das já esperadas cãibras e bolhas). Paga-se R$ 155,80 de inscrição, e a hospedagem diretamente para as pousadas, que cobram, em média, de R$ 110 a R$ 155 a diária com café da manhã, almoço e jantar.

Caminho da Fé

Santuário de Aparecida, no interior de São Paulo, chegada do Caminho da Fé

Santuário de Aparecida, no interior de São Paulo, chegada do Caminho da Fé Foto: José Patricio/Estadão

O ponto de chegada é emblemático e comparável a Santiago de Compostela: o Santuário de Nossa Senhora Aparecida, na cidade paulista de Aparecida. E assim como a rota estrangeira, tem muitos pontos de partida: 17, precisamente. São Carlos, seu ponto mais distante, está a 542 km, ou seja, 17 dias de caminhada. Trata-se da rota peregrina mais extensa do País, passando por 29 cidades em São Paulo e Minas Gerais.

É possível receber o certificado de peregrino fazendo o percurso a pé ou de bicicleta. Vale começar em qualquer dia do ano: basta pagar a taxa de R$ 5, preencher um formulário e assinar um termo de responsabilidade. A organização entrega credencial, mapa e a lista de pousadas conveniadas. Também é possível comprar camisetas e cajados. Recomenda-se prever cerca R$ 80 por dia.

Pousadas, bares e lanchonetes pelo caminho carimbam a credencial. Na chegada ao Santuário, é preciso levar o documento à secretaria da Pastoral, onde sua autenticidade é conferida (há quem tente burlar as regras a cavalo, de carro ou moto) e, só então, emitido o certificado de peregrino mariano.

Caminho da Luz

Quase toda feita pelas agudas montanhas de Minas Gerais, perto da divisa com os Estados do Rio de Janeiro e Espírito Santo, a caminhada de 200 quilômetros é garantia de paisagens surpreendentes. É uma rota de fôlego e de recordes. Começa em Tombos, onde está a quinta maior cachoeira em volume d'água no País. E termina, sete dias depois, no Pico da Bandeira, o terceiro mais alto em território nacional. No caminho, que pode ser percorrido também de bicicleta ou a cavalo, prepara-se para fazendas centenárias, cachoeiras e antigas estações de trem.

Caminho das Missões

Chegada do Caminho das Missões, em frente à catedral de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul

Chegada do Caminho das Missões, em frente à catedral de Santo Ângelo, no Rio Grande do Sul Foto: Claudio Reinke/ Divulgação

Os gaúchos Romaldo Melher e Claudio Reinke tinham o sonho de contar a história de sua região levando as pessoas a percorrer e entender os caminhos que ligavam os antigos povoados missioneiros – hoje Patrimônios da Humanidade – em um território que atualmente pertence a Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Por isso, o perfil do caminho é muito mais histórico que religioso.

Há trajetos de 72, 155, 185 e 338 quilômetros - todos terminam em Santo Ângelo -, que podem ser percorridos em 3, 6, 8 ou 14 dias, respectivamente. Os dois mais longos também podem ser feitos de bicicleta, em 3 e 5 dias. A caminhada guiada custa entre R$ 420 a R$ 1.759 por pessoa.

Passos dos Jesuítas

Inaugurada na costa paulista em 2011, entre os municípios de Peruíbe e Ubatuba, a caçula das rotas brasileiras é um trajeto de 360 quilômetros que pode ser feito em várias etapas. A ideia é refazer os passos do missionário José de Anchieta pela Mata Atlântica no século 16.

O site original está fora do ar, mas o Facebook continua ativo e fornece informações para caminhar com segurança. Diferentemente de outros trajetos, que entregam ao viajante um passaporte para ser carimbado por donos de estabelecimentos ao longo do percurso, conta com totens eletrônicos onde os peregrinos validam cartões magnéticos. O site da Secretaria de Turismo do Estado também tem mapas, guias e informações sobre o trajeto.