Cenário do fim de Lampião

Cangaceiro foi morto na Grota de Angicos, hoje aberta a visitantes

Fernanda Yoneya, O Estado de S. Paulo

22 Setembro 2009 | 08h33

Ter algum interesse por história vai tornar o passeio mais interessante. Afinal, a Grota de Angicos foi cenário de um episódio marcante para o passado da região. Ali morreram o temido cangaceiro Lampião, sua Maria Bonita e outros integrantes do bando, em julho de 1938.

 

ESCONDERIJO - Placa de bronze e cruzes marcam local da emboscada contra o bando

 

Passado trágico que não ofusca a beleza do lugar e da trilha ecológica que leva até lá. Devidamente equipado com tênis e cantil abastecido, você terá a oportunidade de travar um contato intenso com a natureza do alto sertão sergipano.

 

Veja também:

linkNordeste com alma, cor e história

linkPraias e uma cozinheira de mão cheia em Estância

linkTodos os títulos para São Cristóvão

linkPelos cânions do Velho Chico

linkHoras entre corujas e falcões

 

Para aproveitar o passeio em seus mínimos detalhes e com o maior conforto possível, recomenda-se sair bem cedo de Aracaju – o que evita ser surpreendido em plena trilha pelo inclemente sol a pino. A primeira parte da viagem, até Piranhas, leva cerca de três horas, por uma estrada até que bem conservada.

 

Embarque em seguida no catamarã pelo Rio São Francisco. Em 40 minutos, chega-se ao começo da trilha, no município de Poço Redondo. O trajeto tem 1 quilômetro de extensão e alguns trechos bem íngremes. Vá sem pressa e aproveite para observar a paisagem.

 

Uma cruz e uma placa de bronze com os nomes dos cangaceiros mortos marcam a Grota de Angicos. No entorno você verá pedras que conservam as marcas de balas resultantes do confronto. Ficou curioso para saber mais? Nesse ponto, o historiador Jairo Luiz Oliveira entra em cena e dá uma aula de cangaço e de história.

 

Entre outras coisas, o visitante fica sabendo que a grota abrigou uma missa no ano passado, para marcar os 70 anos da morte de Lampião.

 

PRATOS SERTANEJOS

No tour você descobre que o cacto, planta mais associada à paisagem do sertão, também pode servir de alimento. O restaurante Angicos, a 600 metros da entrada da grota, serve receitas com a planta. A salada de cacto abre a refeição sertaneja. Como prato principal, outra especialidade: a pituzada, feita com o crustáceo semelhante ao camarão, com arroz e pirão.

 

linkRestaurante Angicos: (0--82) 8823-3973. Pituzada: R$ 52, para duas pessoas

linkPasseio até a grota: R$ 45

Mais conteúdo sobre:
Viagem & Aventura Sergipe Aracaju Lampião

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.