Mônica Nóbrega/AE
Mônica Nóbrega/AE

Comece o dia com um típico brunch antes de partir para as compras

Há desculpa perfeita para dar-se ao luxo de acordar um pouco mais tarde em um domingo em Norfolk. Refeição americana que deu ao mundo os ovos com bacon, o Sunday Brunch, misto de café da manhã e almoço, é servido com maestria em vários restaurantes na cidade.

NORFOLK, O Estado de S.Paulo

09 Outubro 2012 | 03h11

Para agir como um dos moradores sentados nas mesas ao seu redor, peça uma mimosa (suco de laranja e espumante) ou um bloody mary, só para começar. No cardápio estarão desde torradas e panquecas até ovos beneditinos (com presunto e creme holandês feito de gemas) e sopas de frutos do mar. Apressado, o endereço certeiro é o D'Egg, no centro. Com tempo para sentar, o Green Onion tem a medida exata de elegância em um ambiente com design caprichado.

As mesas ao ar livre são ótimas para observar o vaivém no Ghent, o bairro-tendência de Norfolk, um pouco afastado do centro. É lá que ficam as lojinhas mais espertas, como a Kitsch, cheia de boas ideias de presentes feitos à mão: bolsas, bijuterias, engraçadas tolhas de banho infantis... Tudo da safra de jovens criadores locais.

Ficam por ali a tentadora Rowena's, que vende fatias de bolos esculturais. E o "bar de sobremesas" Sassi, que, entre paredes cor-de-rosa, sofás para afundar, luminárias design e uma vitrine de cupcakes cobertos com três voltas de chantilly, parece pedir para você, moça, fazer a Carrie Bradshaw de Sex and The City. Não tem cosmopolitan, mas peça um espumante.

Achados gastronômicos se sucedem no Ghent. O bolo de quinua com tomate é novidade no menu do turco Pasha Mezze. O No Frill Grill tem cardápio variado, com massas, grelhados e crab cake, bolo de carne de caranguejo. Pizzas e massas são a especialidade do Fellini's há mais de 20 anos.

Antes ou depois da comilança, conceda-se uma parada para degustar os vinhos da vinícola local Mermaid. O Elizabeth River Raspberry (US$ 15 a garrafa) mistura framboesa e uvas cabernet franc - é mais aromático que doce. Vai bem com chocolate e sorvete.

Museu. No acervo de pinturas e esculturas do ótimo Museu Chrysler (grátis), na entrada do Ghent, são as obras contemporâneas recheadas de crítica social e cultura pop as que mais se destacam. O museu exibe achados como o Equestrian Portrait of the Count-Duke Olivares, de 2005. No quadro, o pintor Kehinde Wiley, de 35 anos, faz uma releitura da tela Count-Duke of Olivares (1634), de Velázquez. No lugar da figura do nobre, coloca um jovem negro dos subúrbios americanos.

A coleção de peças de vidro merece atenção. E é possível ver como são feitos objetos artísticos com o material no vizinho Glass Studio. Há demonstrações gratuitas de quarta-feira a domingo. / M.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.