Como conhecer o mundo por US$ 30 ao dia

Depois de ser afagado pelo seu fã-clube na Moldávia, mr. Miles não voltou a estabelecer contato com a redação. Limitou-se a nos mandar a carta da semana:

O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2013 | 03h18

Caro mr. Miles: quero viajar pelo mundo gastando, no máximo, US$ 30 por dia. Sou jovem e estou pronto para qualquer dificuldade. O importante, como o senhor sempre diz, é que quero conhecer o mundo.

Caio Fasoli Lemes, por e-mail

"Well, my friend: talvez eu não seja a pessoa mais apropriada para responder à sua pergunta. Como é de conhecimento geral, passei metade de minha vida viajando à tripa forra, demolindo a generosa fortuna que herdei de uma desconhecida aparentada. E, graças aos amigos que fiz durante esse período, hoje viajo pelo mundo como sócio remido de oito programas de milhagem e geralmente hospedo-me com eles (muitos dos quais são proprietários e gerentes de hotéis ou pousadas). Anyway, dear Caio: o mais importante é a sua determinação. Com ela - e disposto a aguentar alguns perrengues -, você vai muito longe.

Trinta dólares, I must say, não são exatamente uma fortuna. Se você estiver em um país caro como a Noruega ou o Japão, não vejo alternativas que não a de dormir nos parques públicos e alimentar-se de peixes crus. Mas não em restaurantes: vá cedo ao mercado, escolha um pedaço de atum e faça um sushi com seu próprio canivete. Em Oslo, for instance, um copo de cerveja custa o seu orçamento diário.

Em outras palavras, my friend, talvez seja o caso de evitar os países onerosos e deixá-los para o momento em que seu budget for um pouquinho maior - o que certamente ocorrerá porque as viagens são como pós-graduações e aumentam seu valor no mercado de trabalho. On the other hand, há inúmeros lugares em que seus dólares, ainda que minguados, se farão valer. Em albergues simples, em casas de família de lugares com tradição em hospitalidade, em campings (se você concordar em levar uma barraca) e, well, não vejo muitas outras opções...

Tenha o cuidado de viajar sempre na baixa estação de lugares turísticos. O conselho não é lá muito sábio, mas vale lembrar que destinos movimentados têm fartura de hospedagem. E, of course, quando estão às moscas, costumam fazer qualquer negócio. Em sua faixa de gastos - let's say US$ 20 para dormir e US$ 10 para comer -, você terá de ser bastante tolerante a ratos e baratas e, probably, não poderá reclamar de banhos frios. Mas o que são esses pequenos dissabores diante da possibilidade de conhecer o mundo? Don't you agree?

Meu velho amigo Tony Wheeler, o criador dos guias Lonely Planet, hospeda-se, nowadays, em hotéis cinco-estrelas. However, quando está em algum lugar remoto e sem estrutura, considera qualquer tipo de espaço para dormir uma mordomia de luxo.

Seguindo com sua viagem, dear Caio, é preciso ter em mente que muitas das atrações não caberão em seu orçamento. Você poderá, entretanto, vê-las de longe ou nos cartões-postais. E há museus que têm entrada franca uma vez por semana. Basta você saber qual é o dia certo para visitá-los. O problema, I'm sorry to say, são as multidões que costumam deixar os visitantes acotovelados para ver, for instance, um pedacinho da roupa do personagem retratado por um grande mestre de seu agrado.

Relendo as linhas que escrevi até agora, Caio, julgo que, pela primeira vez em tantas crônicas, passo a impressão de que não vai valer a pena viajar com um orçamento tão baixo. Pois believe me: suas lembranças serão únicas e, no futuro, ao contá-las para seus filhos, você perceberá que, anyway, valeu a pena. Se, porém, você sentiu um certo desânimo, tenho uma outra sugestão. Considere a possibilidade de fazer essa viagem na metade do tempo para o qual você se planejou. Se você estiver pensando em um ano, calcule seis meses. Se for três meses, diminua para um mês e meio. Será, in fact, uma pena. However, seu orçamento dobrará. Do you know what I mean?"

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO.

ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E

16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.