Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

Como levar seus medicamentos na viagem

É um cuidado tão básico a se tomar antes do embarque que nem questionamos quais são as condições para transporte

Marcel Hartmann, O Estado de S. Paulo

18 Outubro 2016 | 05h50

A nécessaire de medicamentos é um dos itens indispensáveis em qualquer check-list de mala de viagem. Afinal, ninguém quer ser obrigado a descobrir, entre passeios ou compromissos profissionais, como é que se pede, em outro país, aquele bendito analgésico ou comprimido de uso contínuo. É um cuidado tão básico a se tomar antes do embarque que nem questionamos quais são as condições para o transporte de tais substâncias.

Sim, porque medicamentos são drogas e, como tal, estão sujeitos a regulações específicas em cada país. Para começar, tanto a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) brasileira quanto as agências estrangeiras podem apreender qualquer medicamento. Na teoria, os únicos liberados são colírio e solução fisiológica. 

Assim, vale a pena tomar precauções para passar tranquilamente pela alfândega e não ficar sem os remédios durante a viagem. Se ainda restarem dúvidas, sempre vale consultar a embaixada do país para onde você vai viajar (veja a lista e contatos em portalconsular.mre.gov.br).

1. Bagagem de mão. Remédios devem estar na mala de mão para evitar o risco de serem extraviados. Deixe separadas e acessíveis as doses a serem usadas durante os deslocamentos, como insulinas e outros remédios de uso contínuo, junto com agulhas e outros acessórios, apenas na quantidade suficiente para o trajeto. Todos os medicamentos devem ser acondicionados em embalagem plástica transparente e vedada (com fecho ziplock), como preconizado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). A agência ainda recomenda deixar o medicamento na caixa original.

2. Atenção aos volumes. A regra da Anac para transporte de líquidos na bagagem de mão diz que frascos não podem ultrapassar 100 ml, e vale também para xaropes, pomadas e medicamentos em spray. Frascos maiores, ainda que apenas parcialmente cheios, serão apreendidos. Ao todo, a nécessaire com remédios ou embalagem plástica transparente não pode pesar mais do que 1 kg nem medir mais de 20x20 cm. Consulte previamente a companhia aérea para saber detalhes nas conexões em países estrangeiros.

3. Medicamentos especiais e de uso contínuo. Leve a prescrição médica e apresente na inspeção de segurança. Se precisar transportar algum remédio em um refrigerador ou tiver outra necessidade específica, a agência de viagens de ecoturismo Adventure Club aconselha requisitar assistência especial à companhia aérea. Lembre-se: isso deve ser feito com até 72 horas de antecedência ao embarque – inclusive para solicitar o uso da geladeira do avião ou levar uma bolsa térmica com gelo seco ou gelo comum.

4. Receitas. Tenha sempre em mãos as receitas médicas, que devem conter o seu nome legível para que possam ser comparadas com o cartão de embarque. De preferência, precisam conter também o nome genérico do medicamento. Se a viagem durar tempo suficiente para você precisar ir à farmácia repor o medicamento, vale a pena solicitar ao médico a receita em inglês ou fazer a tradução juramentada. “Assim, você não terá de pagar uma consulta médica no país de destino”, diz Luciana Nunes, da agência de viagens Adventure Club.

5. Cilindro de oxigênio. O passageiro não pode levar o próprio cilindro dentro do avião. Segundo a Anac, se você precisar usá-lo durante o voo, é necessário solicitar o empréstimo de um equipamento à companhia aérea. É permitido ao passageiro levar o seu equipamento concentrador de oxigênio portátil. Apresente receita médica e sempre faça pedidos específicos à companhia aérea com até 72 horas de antecedência.

PARA NÃO FALTAR, O KIT FARMÁCIA. Indispensável na bagagem, a farmácia básica deve conter os medicamentos que você está tomando no momento (sob recomendação médica) e os de uso contínuo. E ainda outros para os imprevistos, principalmente se você viaja com crianças: analgésico, remédios contra febre, má digestão e enjoo e pastilhas para garganta com os quais você está habituado. Inclua relaxante muscular, repelente e protetor solar. 

Mais conteúdo sobre:
Saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.