TV Globo
TV Globo

Como parecer elegante em uma viagem longa

Roupas diferentes para diferentes ocasiões

Mr. Miles, O Estado de S. Paulo

23 Janeiro 2018 | 03h00

Aproveitando o calor de Zanzibar, nosso viajante respondeu a uma pergunta um tanto estranha e a outra na mesma linha: a do vestuário dos viajantes. 

Mr. Miles: quando vai à praia, o senhor continua usando esse terno antiquado? Rafael Salmatti, por e-mail

Well, my friend: digamos que há divergências quanto à antiguidade do meu terno. Nem todas as mulheres que encontro simpatizam imediatamente com ele; apenas a maior parte. Quanto à sua provocação, a resposta é não, I’m afraid. Tecidos de boa qualidade encolhem no contato com a água e não vou sacrificar o corte apurado de Clifford Jameson III – meu alfaiate há décadas – durante um banho de mar.

Como qualquer ser humano comum – viajante ou não –, prefiro um bom par de shorts. Que seja suficientemente amplo para que o que existe dentro dele não fique atafulhado. Do you know what I mean?

E com esse traje não me importo de enfrentar águas quentes como as de Zanzibar ou gélidas como as do norte do Canadá. Recordo-me que, anos atrás, participei de uma expedição de mergulhadores que acompanhavam o trajeto das belugas na Hudson Bay.

Ofereceram-me aquelas awful vestimentas de neoprene, que tolhem os movimentos. Optei pelos meus shorts e, of course, quase fui acometido de uma crise de hipotermia. A recompensa veio logo em seguida: uma garrafa de single malt para aquecer-me por dentro. Trashie e eu adoramos a experiência.

Querido Mr. Miles: toda vez que viajo, opto por uma bagagem leve e prática. O resultado é que, na prática, acabo ficando cada dia mais desarrumada, parecendo com o Agostinho Carrara, de A Grande Família. O que o senhor acha sobre isso? Valquíria Rosangela Carneiro,  por e-mail

Well, my dear: não é preciso ser um observador muito arguto para descobrir que, em viagens de férias, a primeira vítima é, quase sempre, a elegância. Never mind: a utilização de roupas amarfanhadas, de cores destoantes, em situações inconvenientes é característica de turistas de múltiplas nacionalidades em diversas partes do mundo. O pecado, nesse caso, é quase sempre compreensível e justificável. Mais vale um viajante com poucas peças de roupa em uma bagagem praticável do que um turista condenado a transportar baús de uma cidade à outra, sem o auxílio dos serviçais de outrora. 

Roupas contadas, usually, significam combinações esdrúxulas. Tenho visto, here and there, alguns modelitos tão improváveis que só me resta esperar que a viagem realizada tenha sido muito mais rica e proveitosa do que as fotos que dela restarão. No extremo oposto, conheço algumas amigas que viajam com tanta bagagem que, in fact, pouco lhes importa o lugar em que estão. A preocupação que têm de estar sempre bem na foto é, often, muito maior do que o interesse em saber ‘o que é este prédio todo quebrado atrás de mim?’ – referindo-se, claro, ao Coliseu ou ao Parthenon.

Há, by the way, pessoas naturalmente elegantes, que sabem misturar a boa prática do light traveling com uma inigualável habilidade de compor a bagagem com itens precisos que, sempre que chamados ao corpo, resultarão em aparência adequada e repleta de frescor.

Nesse particular, by the way, tem razão minha boa amiga Charlotte ( N.da R.: Charlotte Rampling, atriz inglesa) ao invejar as mulheres muçulmanas que, com quatro ou cinco boas burcas, podem dar a volta ao mundo sem qualquer risco de parecerem deselegantes. O mesmo, of course, se aplica à freiras, monges tibetanos e, last, but not least, a este modesto escriba que, adepto do terno e do bowler hat, corre o risco de parecer antiquado. Jamais, porém, esquisito. Do you know what I mean?

*MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS. ESCREVA PARA MILES@ESTADAO.COM. 

Mais conteúdo sobre:
moda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.