BRUNA TIUSSU/ESTADÃO
BRUNA TIUSSU/ESTADÃO

Concorrência para lá de leal

Esqueça os prédios vitorianos de Aspen. Construções modernas e casas espaçosas compõem o visual de Vail, resort de esqui que também fica no Colorado e, ano após ano, se esforça para roubar da vizinha o título de queridinha dos brasileiros.

VAIL , O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2013 | 03h16

Ao contrário da "rival", a história do destino começa justamente por causa dos esportes de inverno. Foi no fim da década de 1960 que esquiadores experientes descobriram o potencial da área e para lá rumaram com seus equipamentos.

Nada é casual. A Vail Mountain detém a maior área esquiável dos Estados Unidos, com mais de 2 mil hectares. Aos poucos, o aumento no número de frequentadores foi dando forma à estação que, consequentemente, ganhou estrutura de cidade turística, com hotéis, lojas, mercados e restaurantes.

Distante 160 quilômetros de Aspen, Vail também é abastecida com a neve powder, o que deixa suas pistas sob medida para receber os pares de esqui e as pranchas de snowboard na temporada fria - a 2013/2014 começa simultaneamente à da vizinha, no fim de novembro.

A montanha é democrática. De suas 193 pistas, 53% são de nível avançado e 47% destinadas para iniciantes e intermediários. Há 32 meios de elevação para levar os turistas de um lado a outro. Um deles, aliás, foi a grande novidade do inverno passado: batizado de Gôndola One, foi instalado no pé da montanha, em Vail Village, e inova ao contar com poltronas aquecidas, conexão Wi-Fi e vista panorâmica da paisagem, graças aos vidros que vão do chão ao teto.

O trajeto do novo teleférico leva até outra recente inauguração da estação, o restaurante The 10th, cujo nome homenageia os veteranos da 2.ª Guerra Mundial. O grande trunfo do espaço é pouco se assemelhar aos bufês tão comuns nas montanhas. Aberto para almoço, après-ski e jantar, seu menu a la carte traz peixes, carnes e massas. A dica ali é escolher uma mesa perto dos janelões que dão vista para a deslumbrante cordilheira Gore Range.

Outros picos. Apesar da imensidão de Vail, vale enfrentar uma hora de viagem para variar o cardápio de pistas em Beaver Creek. O local conta com cerca de cem opções, também para todos os níveis, e chama a atenção dos esquiadores aventureiros por sua área de cross country. Talvez o que a diferencie de Vail seja o clima mais intimista lá em cima da montanha. Às vezes, a sensação é de estar sozinho naquela porção nevada.

A montanha é administrada pelo mesmo grupo Vail Resorts, que, além das duas no Colorado, tem estações na Califórnia e em Nevada. Para a nova temporada, a empresa expandiu suas parcerias para oferecer aos visitantes dias extras de esqui em pistas do outro lado do oceano: agora, quem comprar o tíquete Epic Pass (o de uma semana sai por US$ 549), que dá acesso ilimitado a oito resorts da companhia, tem direito a cinco dias nas montanhas francesas de Les 3 Vallees, região que inclui Courchevel, Brides-les-Bains e Méribel. / BRUNA TIUSSU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.